Mulher comemora dois anos da filha gerada com sêmen do marido morto

"Saiu inteira ele. Só os dedos do pé são meus", diz professora de Curitiba.

?Estou feliz, realizada. Estou completa?, afirma a professora Katia Lenerneier, de 41 anos, dois anos após o nascimento da filha Luíza Roberta, que foi gerada com o sêmen do marido morto. Katia tentava engravidar quando o marido descobriu que tinha um tipo agressivo de câncer de pele, em fevereiro de 2009. Juntos, decidiram guardar o sêmen em uma clínica, a -200°C. Pouco tempo depois, ele morreu aos 33 anos.

Como Katia não tinha a autorização escrita do falecido marido, precisou recorrer à Justiça para conseguir o direito ao procedimento. O caso, inédito no país, foi aprovado em maio de 2010 e, no mês de setembro, a professora engravidou. A menina nasceu em junho de 2011 com quase três quilos, emocionando a família e a equipe médica.

?Só alegria?. É assim que Katia descreve a vida depois de ser mãe. Para a professora, a decisão de engravidar com o sêmen do falecido marido foi um acerto. ?Não tenho nenhum arrependimento ou sentimento de culpa por ela não ter o pai?. A professora conta com a ajuda da mãe para cuidar da menina.

A mulher optou em trabalhar meio período para ter mais tempo de ficar com a criança que começou a ir para a escolinha no início de 2013. Ela diz que a família do falecido marido tem contato direto com Luíza Roberta. ?Minha sogra é bem presente?.

Alegria da vovó

?Era o que ele queria. Se estivesse vivo estaria muito contente?, afirma a dona de casa Maria de Lourdes Niels, que é avó de Luíza Roberta e mãe do falecido marido de Katia. A neta é motivo de felicidade para a dona de casa. ?É uma alegria que não dá nem para falar. Ela é especial. É uma coisa que só Deus é que sabe?.

Maria de Lourdes lembra que ela e família apoiaram a decisão de Katia de fazer inseminação artificial com o sêmen no marido já morto. ?Minha família deu grande apoio para ela. Sei que ela é uma boa mãe. Confiei muito na pessoa dela. Ela é uma pessoa muito boa?.

?Eu fico encarando as fotos dela [Luíza Roberta] para matar um pouco da saudade dele. As fotos dele eu não consigo ver porque dói muito. A morte é muito triste, ninguém aceita?, relata a dona de casa.

Novo rumo

?Às vezes, dá um aperto no coração por ele não estar curtindo, vivendo, vendo esses momentos bonitos. Isso pesa, mas é durante um minuto. No outro minuto já descontraio?, explica a professora. Depois da inseminação artificial, Katia ainda deixou o que sobrou do sêmen do marido e dois óvulos dela congelados. Porém, no fim de 2012, ela resolveu eliminar o sêmen e, agora, vai doar os óvulos.

?Não me vejo mais grávida. É muito difícil não ter uma pessoa para te ajudar emocionalmente e financeiramente, não ter um companheiro?, avalia.

Ao observar a filha, a professora diz que a garota é bastante parecida com o pai. ?Saiu inteira ele. Só os dedos do pé são meus?, brinca. Não apenas fisicamente, Katia também atribui a personalidade do marido à filha. ?Ela é bravinha. Levanta a sobrancelha igualzinha a ele?.

Para a mulher, a criança trouxe um novo rumo à vida. ?Acabou um ciclo e começou outro. Ela resgatou um pouco dele e, ao mesmo tempo, deu outro rumo para a vida?, finaliza Katia.


Mulher comemora dois anos da filha gerada com sêmen do marido morto

Mulher comemora dois anos da filha gerada com sêmen do marido morto

Mulher comemora dois anos da filha gerada com sêmen do marido morto

Mulher comemora dois anos da filha gerada com sêmen do marido morto

Fonte: G1