Mulher é presa por jogar balde com fezes em pastor durante culto

A polícia foi chamada e encaminhou a dona de casa para a delegacia.

Uma mulher de 47 anos foi presa depois de arremessar um balde com fezes e urina contra um pastor evangélico, durante um culto dentro de uma igreja na cidade de Lucas do Rio Verde, a 249 km de Cuiabá. Ela alegou para a Polícia Civil que estava sendo menosprezada por outros fiéis pelo fato de ser mãe solteira. O caso ocorreu na sexta-feira (1º) durante um culto de Ano Novo.

A presa, que é dona de casa, relatou à polícia que o pastor e as outras mulheres que frequentavam a igreja a tratavam de uma forma diferente, já que ela cuida sozinha do filho. Os religiosos teriam falado que ela estava pecando por ser mãe solteira.

“Ela disse que estava sofrendo com essa situação e até entrou em depressão. Disse que tinha um tratamento diferente em relação às outras pessoas pelo fato de não ter um marido. Para ela, o tratamento era inadequado e trazia transtornos”, relatou o delegado Walter de Melo.

Entretanto, o delegado acredita que a mulher sofra de algum tipo de transtorno mental. Se vendo nessa situação, a dona de casa disse que resolveu 'preparar' uma vingança ao pastor e aos outros frequentadores da igreja evangélica.

“Ela confessou que começou a fazer esse 'caldo' com fezes e urina em casa, dentro de um balde. Depois, decidiu participar da cerimônia, onde as pessoas oravam durante o culto de Ano Novo. Em um determinado momento ela retirou esse balde durante o culto e jogou contra o pastor e em outras pessoas”, contou Melo.

A polícia foi chamada e encaminhou a dona de casa para a delegacia. O pastor e algumas pessoas que foram atingidas pela substância foram levadas para um hospital da cidade.

“Ela vai responder um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelo crime de ultraje a culto religioso e foi solta. As pessoas que foram atingidas procuraram atendimento médico para saber se havia risco de algum tipo de contágio [de doença]. Elas ainda vão ser ouvidas na delegacia nos próximos dias”, pontuou.

Fonte: Com informações do G1