Mulher que teve bebê roubado da barriga ainda sente fortes dores

Justiça determinou que acusada do crime passe por exame de sanidade

A jovem Odete Barreto, de 22 anos, afirma que ainda sente fortes dores depois que teve a barriga cortada e o bebê roubado em setembro deste ano, em Manaus (AM). Ela passou um longo período internada e diz que ainda não está totalmente recuperada.

- Ainda sinto dores fortes. Não quero mais viver em Manaus, isso foi um trauma. Meu filho de dois anos viu tudo e ainda acorda de madrugada contando que me viu desacordada com a barriga aberta.

Na terça-feira (27), a Justiça determinou que Daiana dos Santos, de 21 anos, passe por um exame de sanidade mental antes de ser julgada. O juiz informou que há indícios de problemas mentais pelos depoimentos prestados pela suspeita. Ela disse que foi influenciada pelo diabo a cometer o crime e contou que não se lembra de nada.

Daiana relatou que conheceu a vítima três dias antes e que depois a encontrou em um posto de saúde, onde convidou a jovem para doar roupas de bebê. Já na casa da acusada, a vítima foi atingida com uma tábua na cabeça e desmaiou. Com uma lâmina de barbear, Daiana abriu a barriga da gestante e retirou o bebê. Ela saiu da residência com a criança e uma vizinha encontrou a jovem desmaiada com a barriga aberta quase uma hora depois. O filho de Odete, de dois anos, viu toda a cena e chorou bastante, o que despertou os vizinhos.

Ela decidiu roubar a criança logo após descobrir que não estava grávida, como imaginava. Durante depoimento, ela disse que é uma pessoa bastante triste e depressiva, além de consumir remédios fortes. O laudo sobre o estado de saúde dela deve ficar pronto em 15 dias. Depois do resultado, a Justiça decidirá se ela deve ir a júri popular.

Odete confirmou que conheceu a acusada antes do crime e foi atraída pelas doações de roupa para a bebê. Ela contou que só se lembra do primeiro golpe e depois acordou no hospital e recebeu a notícia que a criança foi roubada. A menina foi encontrada e mãe e filha passaram mais de 15 dias internadas. A jovem chegou a passar por uma cirurgia.

A enfermeira que realizou o atendimento e a dona da casa em que a suspeita morava também foram ouvidas. De acordo com o médico Décius Gama, ela chegou com um quadro hemorrágico e com dificuldade respiratória. A criança teve um corte no braço e nas costas.

Daiane foi denunciada por tentativa de homicídio e está em uma cela especial, isolada das outras presas, na Cadeia Feminina do Complexo Penitenciário Anísio Jobim. Ela já tentou suicídio algumas vezes e também sofre constantes ameaças das outras detentas.

Fonte: R7, www.r7.com