Multidão lota praia de Copacabana para ver o Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude

Multidão lota praia de Copacabana para ver o Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude

Ele também citou, pela primeira vez durante sua visita ao Brasil, o papa João Paulo 2º

Milhares de pessoas acompanham a passagem do Papa Francisco na praia de Copacabana para participar da festa de acolhida aos jovens que participam da 28ª Jornada Mundial da Juventude, que é realizada desde a última terça-feira (23), no Rio de Janeiro.

No terceiro discurso desta quinta-feira (25), realizado no final da tarde na praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, o papa Francisco elogiou o comportamento dos fiéis, que mesmo com chuva e frio compareceram em grande número à Jornada Mundial da Juventude. "Sempre ouvi dizer que os cariocas não gostam do frio e da chuva. Vocês estão mostrando que a fé de vocês é mais forte que o frio e que a chuva. Parabéns, vocês são verdadeiros guerreiros."



Ele também citou, pela primeira vez durante sua visita ao Brasil, o papa João Paulo 2º, ao se referir à Jornada Mundial da Juventude de 1987, realizada em Buenos Aires, a primeira fora de Roma.



"Lembro-me da primeira Jornada Mundial da Juventude a nível internacional (sic). Foi celebrada em 1987 na Argentina, na minha cidade de Buenos Aires. Guardo vivas na memória estas palavras do bem-aventurado João Paulo 2º aos jovens: "Tenho muita esperança em vocês. Espero, sobretudo, que renovem a fidelidade de vocês a Jesus Cristo e à sua cruz redentora"", declarou Francisco.

Em seguida, o pontífice homenageou a peregrina Sophie Morinière, da Guiana Francesa, morta em um acidente de ônibus quando viajava ao Brasil. "Queria lembrar o trágico acidente na Guiana Francesa, no qual a jovem Sophie Morinière perdeu a vida, e que deixou outros jovens feridos. Convido-lhes a fazer um minuto de silêncio e dirigir ao Senhor a nossa oração por Sophie, pelos feridos e pelos familiares."



O pronunciamento foi feito diante de uma multidão de jovens que se espalharam por Copacabana, durante festa de acolhida da Jornada Mundial da Juventude. Ele chegou ao local às 17h15, vindo de helicóptero da Residência Assunção, no Sumaré, zona norte do Rio. O pontífice desembarcou no Forte de Copacabana e percorreu de papamóvel a avenida Atlântica até o Leme.

Outro destaque do discurso foi o tom evangelizador adotado por Francisco, que fez diversas referências à Bíblia. "Olhando para este mar, para a praia e todos vocês, me vem ao pensamento o momento em que Jesus chamou os primeiros discípulos a segui-lo nas margens do lago de Tiberíades. Hoje Jesus ainda pergunta: você quer ser meu discípulo? Você quer ser meu amigo? Você quer ser testemunha do meu Evangelho?", questionou o pontífice.



"No coração do Ano da Fé, estas perguntas nos convidam a renovar o nosso compromisso de cristãos. Suas famílias e comunidades locais transmitiram a vocês o grande dom da fé; Cristo cresceu em vocês. Hoje, vim para lhes confirmar nesta fé, a fé no Cristo Vivo que mora dentro de vocês; mas vim também para ser confirmado pelo entusiasmo da fé de vocês", declarou Francisco.

No percurso pela avenida Atlântica, o papa bebeu um gole de chimarrão oferecido por um peregrino. No trajeto, ele acenou para os fiéis que reagiram com histeria diante do pontífice. O papamóvel parou diversas vezes durante o percurso para que o papa beijasse crianças. Em um determinado momento, ele substituiu o solidéu, uma espécie de chapéu, que estava usando por outro que ganhou de um fiel anônimo.



Programação intensa

Logo cedo, o papa Francisco celebrou uma missa na Residência Assunção, na zona norte, casa de repouso onde o pontífice está hospedando desde a última segunda-feira (22).

Mais tarde, no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, recebeu do prefeito Eduardo Paes as chaves da cidade. Em um breve discurso, abençoou os presentes e pediu para que rezassem por ele.

Depois, ele seguiu para a favela de Varginha, no complexo de Manguinhos, na zona norte, onde fez uma breve oração em uma pequena capela, chamada São Jerônimo Emiliani, e, sob garoa, caminhou entre fiéis. Francisco visitou a casa de uma família da comunidade.

Em discurso na favela de Varginha, o papa apelou para que as pessoas se esforcem para que o mundo seja mais justo e solidário. "Sei bem que quando alguém precisa comer e bate em suas portas, vocês sempre dão um jeito de compartilhar comida. Como diz o ditado, sempre se pode colocar mais água no feijão", afirmou.

Após visita à favela, o papa Francisco foi até a Catedral Metropolitana do Rio, na região central, onde encontrou fiéis argentinos que foram ao Rio para participar da Jornada Mundial da Juventude.

Em discurso, ele afirmou que a Igreja Católica precisa sair às ruas para que não se torne uma ONG (Organização Não Governamental).

Fonte: UOL