Mutirão realiza limpeza em lagoa na zona norte de Teresina

A iniciativa foi promovida pela Coordenação do Meio Ambiente.

Ocorreu na manhã de sexta-feira, 31, o mutirão de limpeza da Lagoa do Mazerine, no Bairro Nova Brasília, zona Norte de Teresina, localizada ao lado da Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro. A ação que faz parte do projeto Lagoas Ambiental, orientou moradores da redondeza sobre os prejuízos do despejo de lixo na área.

A iniciativa foi promovida pela Coordenação do Meio Ambiente, Fundação Municipal de Saúde, direção da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Bairro Nova Brasília e também pela Infraero do Estado. Durante o evento, os representantes de cada órgão interagiram, diretamente, com os moradores.

Os moradores foram orientados através de palestras sobre o consumo de água potável e a saúde preventiva, visitas às ruas e residências e a retirada de lixo e entulho dos quintais.

Além disso, foi feita a limpeza da Lagoa do Mazerine, onde foi retirado aguapés e lixos domésticos. Para Evandro Marques, coordenador da UBS de Nova Brasília, os moradores vêm fazendo mau uso da lagoa ao despejar lixo e propõe atividades de lazer.

"O que queremos é que a população adquira uma consciência ambiental e fazer melhor uso desse local. Utilizando como passeio ou um espaço para confraternização.

Aqui é uma área verde, onde a população estava fazendo uso como zona de transbordo ao lado da USB, o que agrava o quadro clínico dos pacientes", explica.

Segundo o coordenador da Unidade de Saúde, além dos problemas de saúde, o lixo desvaloriza a região. "Além dos problemas de saúde, chamamos atenção para a questão do prejuízo ambiental, no momento que é transformado em um lixão, começa logo pela desvalorização da área", pontua Evandro Marques.

De acordo com Conceição Ferreira, coordenadora social do programa, o problema do lixo afeta desde a saúde, ao meio ambiente e transporte. "Essa área tem um manancial muito forte.

Tanto as lagoas como as áreas que estão no entorno da região têm um volume de lixo muito alto e isso traz problemas para a comunidade e para a cidade, que vai desde doenças transmissíveis, como também a falta de preservação da fauna e da flora, que vai repercutir também na segurança dos voos do Aeroporto", esclarece.

Fonte: Jornal Meio Norte