No 2º dia de sua paralisação, sindicato estima que 8% de ônibus não circulam

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que o rodízio de veículos está mantido

Após um dia de caos no trânsito e no transporte público de São Paulo, a quarta-feira (21) começou problemática para quem precisa de ônibus para ir trabalhar. Pelo menos cinco empresas mantiveram a paralisação iniciada ontem. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que o rodízio de veículos está mantido.

O presidente do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano), José Valdevan Noventa, estima que cerca de 1.200 ônibus (8% da frota total da cidade) estejam parados nesta manhã. Segundo ele, a paralisação não tem previsão para terminar e é realizada por opositores do sindicato. A SPTrans não confirma o número.

Veículos das companhias Gato Preto, Santa Brigida, Sambaíba, Via Sul (todas nas zonas norte, noroeste e oeste) e VIP (na zona sul) não deixaram as garagens. Ônibus da viação Campo Belo, que havia aderido ao movimento, voltaram a circular às 5h40, de acordo com a SPTrans.

Apenas o terminal Lapa continua fechado, mas as operações estão comprometidas em quase todos devido à ausência de coletivos.

Na avenida Faria Lima, sentido Largo da Batata, dezenas de ônibus começam a estacionar nas pistas da direita e da esquerda, com o pisca alerta ligado, repetindo estratégia colocada em prática ontem.

Na Grande São Paulo, as companhias Pirajussara, na região de Embu, e Viação Osasco, que atende a região de Osasco, também estão paradas.

A avenida Professor Francisco Morato, na zona oeste, está parcialmente bloqueada nos dois sentidos pelos rodoviários entre as ruas Caminho do Engenho e José Valter Seng, segundo a CET.

O corredor de ônibus da avenida Cupecê, na zona sul, está bloqueado nos dois sentidos por coletivos da Viação Tupi.

Ontem o prefeito Fernando Haddad (PT) comparou a paralisação inesperada de motoristas e cobradores de ônibus em São Paulo à atuação de uma guerrilha.

Fonte: UOL