No Ceará, aluno faz Enem com 14 anos e é aprovado em medicina

No Ceará, aluno faz Enem com 14 anos e é aprovado em medicina

"Fiz sem acreditar muito, quando saiu a nota, tive mais esperança", conta. Ele solicitou ao Conselho Estadual de Educação a entrada na faculdade

O jovem Tiago Dirceu Saraiva, com 15 anos recém-completados, se surpreendeu na tarde de segunda-feira (14) quando viu a aprovação no curso de medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), no campus de Sobral, interior do Ceará. Quando fez o exame, ele tinha apenas 14 anos. Cursando o 1º ano, ele disputou uma das 80 vagas com mais de 4 mil candidatos.

"Quis fazer o Enem para testar. Fiz sem acreditar muito, quando saiu a nota, tive mais esperança. Me inscrevi no Sisu em Sobral e veio a surpresa", lembra o estudante. "A primeira a ver que fui aprovado foi minha mãe, ela me contou e pedi um momento até "cair a ficha". Depois houve muita comemoração", diz o estudante.

Ainda na segunda-feira ele viajou a Fortaleza para solicitar ao Conselho Estadual de Educação o pedido para ingressar na faculdade de medicina. Ele deve fazer uma avaliação no colégio onde estuda para tentar obter um parecer; caso seja aprovado, a escola dispensa o aluno de cursar o restante do ensino médio. O resultado de Tiago sobre o parecer para ingressar ou não na universidade deve ser divulgado na quinta-feira (17). Normalmente, só cursam faculdade alunos que concluíram o ensino médio.

"É um caso muito raro ser aprovado para faculdade cursando o 1º ano, ocorre uma vez a cada três anos na nossa escola. Cursando o 2º ano é um pouco mais comum", diz o diretor da escola onde Tiago estuda, Tales de Sá. "Ele vai fazer a prova, se ele provar que domina o conhecimento do ensino médio, ele é dispensado", explica.

O diretor, no entanto, recomenda que Tiago conclua o ensino médio, cursando o 2º e 3º anos. "Na realidade, eu aconselharia a ele que ele fizesse o ensino médio, para ele amadurecer sem dar saltos, mas ele gosta de desafios então temos que respeitá-lo", diz.

Com 15 anos, ele diz acreditar que a matrícula prematura na universidade pode trazer mais benefícios do que "contras". "É uma questão difícil entrar cedo na universidade. Pode atrapalhar a vida social, mas temos de pesar os prós e contras; se eu entrar, serão mais prós do que contras, com certeza", diz.

O pai de Tiago, Santiago Saraiva, conta que deixou a decisão de ingressar ou não na faculdade com o filho. "A decisão foi dele e eu apoiei", diz. O pai fala que sempre contribuiu com os estudos dos dois filhos, que são estudiosos desde crianças.

Tiago deve voltar a Sobral na quarta-feira, quando pretende comemorar a aprovação com os amigos. "Já recebi muitas ligações e mensagens dos amigos e comemorei com a família. Agora vamos comemorar quando eu voltar a Sobral", diz.

Ano competitivo

"Sempre fui muito estudioso, mas nunca fui muito competitivo. Foi isso que mudei em 2012", conta Tiago. Ele diz que sempre foi bom aluno, principalmente em biologia e nas disciplinas da área de humanas.

"Foi em 2012 que entrei para aulas de preparação para o vestibular, olimpíadas, e aí estudei mais, foi quando me senti mais preparado para fazer o Enem." Tiago fala que o colégio onde estuda, Farias Brito, incentiva estudantes mais preparados a fazer vestibulares e o Enem, mas decidiu fazer o exame por conta própria.

Fonte: G1