Novos tremores assutam a população do Chile durante a posse do novo presidente

Novos tremores assutam a população do Chile durante a posse do novo presidente

Terremotos ocorreram antes e durante a posse de Piñera em Valparaíso.

O recém-empossado presidente do Chile, Sebastián Piñera, disse nesta quinta-feira (11) que a cidade de Rancagua, a 90 km de Santiago, sofreu "danos significativos" depois dos três fortes tremores secundários que abalaram o Chile no fim desta manhã e pouco antes de sua posse.

Os tremores ocorreram 12 dias depois de um abalo de magnitude 8,8 ter destruído regiões do país e matado ao menos 802 pessoas. A Marinha do país emitiu um alerta de tsunami (ondas gigantes) para a costa. O tsunami ainda não se formou, mas o alerta segue, disse o ministro do Interior.

"Os danos ocorridos em Rancagua são danos significativos. Nesse momento estamos deslocando nossas equipes de emergência... e vamos ter uma avaliação mais precisa dos danos provavelmente no decorrer desta tarde", disse Piñera a jornalistas na cidade de Viña del Mar.

Piñera também decretou zona de catástrofe na região de Libertador O"Higgins, onde ocorreram os tremores, e disse que tropas seriam enviadas ao local para garantir a segurança. Não há informações sobre mortes.

Dois dos tremores aconteceram poucos minutos antes do início da cerimônia de posse de Piñera, e um deles foi durante a cerimõnia, realizada cidade portuária de Valparaíso, onde fica o Congresso, e vizinha ao balneário de Viña del Mar.

O alerta de tsunami vale para a região de Valparaíso. O Escritório Nacional de Emergência (Onemi) pediu que a saída das pessoas da costa seja feita "com calma". A rádio Bio-Bio informou que a retirada da população das cidades costeiras já começou e estava sendo feita com calma, sem incidentes.

Logo após tomar posse, Piñera disse que o alerta de tsunami é "preventivo". "Não queremos alarmar ninguém, mas queremos tomar precauções para evitar perdas de vidas e acidentes", disse. "Mais vale prevenir que remediar."

O primeiro abalo ocorreu às 11h39 locais (mesmo horário de Brasiília) e foi avaliado em magnitude 7,2, segundo o Centro de Pesquisas Geológicas dos EUA. O epicentro localizou-se em O"Higgins, a 10 km de profundidade, e a 124 km a oeste-sudoeste da capital.

Ele foi seguido 16 minutos depois por outro tremor, na mesma região, de magnitude 6,9. Às 12h06, um terceiro abalo, de magnitude 6, foi registrado na mesma região.

O primeiro tremor foi sentido durante 45 segundos na capital. As primeiras informações são de que, em Santiago, ele teve intensidade 6 na escala de Mercalli, que vai até 12.

Apesar de a Marinha chilena ter emitido o alerta, o norte-americano Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico não deu alarme.

O governo chileno foi bastante criticado pela maneira como reagiu ao terremoto de 27 de fevereiro, o que levou a diretora da Onemi a pedir demissão nesta quarta-feira, após ter admitido erro ao não dar alerta de tsunami para a costa.

Fonte: g1, www.g1.com.br