Número de heterossexuais com HIV é maior do que o de homossexuais no Piauí

Número de heterossexuais com HIV é maior do que o de homossexuais no Piauí

De acordo com pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde, até o fim de 2014 foram registrados 2.926 casos de pessoas contaminadas com HIV no Piauí. Os homens encabeçam a lista com 1.962 casos, seguido de mulheres (964 casos) e por último homossexuais, com 66 casos registrados. Os dados indicam que boa parte dos soropositivos é formada por adolescentes e jovens com idade entre 13 e 25 anos.

Os dados têm preocupado as autoridades de saúde, já que começam a vida sexual cada vez mais cedo e ainda não adquiriram o hábito de utilizar preservativo. "Os adolescentes estão iniciando a vida sexual e deveriam estar informados do risco de infecção, tanto da Aids como de outras doenças sexualmente transmissíveis. Esse grupo passou a banalizar o uso do preservativo, pois acha que como tem o coquetel pode prolongar a vida e não se previnem, mas precisamos alertar que a medicação transforma o corpo da pessoa, tem rejeição, então é melhor se cuidar do que correr o risco de contrair a doença", explica o clínico geral Miguel Ângelo.

O alto índice de jovens heterossexuais infectados pela doença é preocupante. A coordenadora do Grupo Matizes, Carmen Lúcia, afirma que hoje em dia não existe grupo de risco, pois qualquer pessoa sexualmente ativa corre o risco de contrair a doença. "O país está retrocedendo a partir do momento que o maior número de casos é entre jovens e o que precisamos é ter política de combate à Aids eficiente, sem preconceito e tratar a sexualidade nas escolas. Precisamos de campanha voltadas para a educação", disse.

Mesmo com a extinção do provável grupo de risco, jovens homossexuais seguem preocupados com o estigma da contaminação. O universitário João* é um exemplo disso. Ao descobrir que possuía o vírus HIV circulando em sua corrente sanguínea, não hesitou em comunicar a todos os parceiros sexuais que havia contraído a doença. "Os exames indicaram que a doença estava em estado avançado, o que significa que estava doente há algum tempo e nem sabia. Me mudei para o Piauí para obter educação superior, moro sozinho e de repente me vi sem chão, completamente desamparado e sem ninguém para pedir ajuda, além de poucos amigos. Por isso, não pensei na exposição que teria ao anunciar que sou soropositivo, só pensei que não desejo essa sensação de desespero para ninguém", declara João.

Pessoas acima de 60 anos de idade e com vida sexual ativa também devem se preocupar com a possibilidade da doença. A fragilidade do sistema imunológico em pessoas da terceira idade dificulta o diagnóstico de infecção por HIV. Isso ocorre por que, com o envelhecimento, algumas doenças tornam-se comuns. E os sintomas da aids podem ser confundidos com os dessas outras infecções. Tanto a pessoa idosa quanto os profissionais da saúde tendem a não pensar na aids e, muitas vezes, negligenciam a doença nessa faixa etária. E o diagnóstico tardio de Aids permite o aparecimento de infecções cada vez mais graves e compromete a saúde mental, podendo causar até demência.

Siga o Meionorte.com no Facebook

Fonte: Olegário Borges - Jornal MN