Oito médicos faltam expediente e afetam atendimentos em hospital

A fundação hospitalar informou que desconhece a ausência dos profissionais da medicina, e garante que se comprovadas aas faltas sem justificativas, denunciadas na matéria

Entre um final de semana e um feriado, nada melhor que “folgar” para prolongar os dias de descanso ou mesmo para fazer aquela viagem com a família. Mas a situação muda se o trabalho não decretou ponto facultativo e, para piorar, se o ambiente de trabalho é um hospital público de que muitos dependem para se sentirem melhores.

Foi o que a equipe do Jornal Meio Norte constatou na manhã de segunda-feira (20), no Hospital Lineu Araújo, região central de Teresina, em que oito profissionais da medicina decidiram faltar o expediente e, pelo visto, sem justificar, pois muitos pacientes que estavam com consultas marcadas para a manhã tiveram que voltar para suas casas.

Como é o caso da dona de casa, que não quis se identificar, natural de Corrente, cidade localizada a mais de 800 km ao Sul do Piauí, afirma que vai voltar para casa sem se consultar. “Estou muito chateada, vim lá de Corrente, para chegar aqui, com minha consulta marcada, e me dizem que o médico faltou. É um absurdo isso!”, desabafa a dona de casa, que teve a consulta remarcada para a próxima semana.

Já o vendedor que também prefere não se identificar, garante que há três meses tenta marcar consultas em algumas especialidades. No entanto, não tem obtido sucesso, pois o sistema esteve fora do ar, e quando consegue a tão esperada consulta, o especialista falta.

“Que país é este! Tudo caro, imposto lá em cima e nem o direito a uma saúde digna nós, pobres, temos. Estou indignado com isso”, diz ele, que mesmo tendo a consulta remarcada, garante que fica o sentimento de revolta.

A Fundação Hospitalar de Teresina (FHT) informa que desconhece as ausências dos profissionais da medicina, e garante que se comprovadas as faltas sem justificativas, denunciadas na matéria, tomará as devidas providências, que no caso, será o desconto salarial desses profissionais.

Fonte: Virgínia Santos e Márcia Gabriele