Olhar Brasil no Piauí será destaque em encontro do MEC

Além do Programa Olhar Brasil, o encontro de coordenadores do Brasil Alfabetizado vai discutir as novas funções e responsabilidades dos coordenadores

A equipe que coordena o programa Olhar Brasil foi convidada para participar dia 14 de abril, em Fortaleza (CE), do Encontro de coordenadores do programa Brasil Alfabetizado. Durante o encontro gestores da Secretaria Estadual da Educação e Cultura (Seduc) e da Secretaria Estadual da Saúde (Sesapi), irão relatar como foi a implantação do Olhar Brasil no Piauí.

?Estamos preparando uma apresentação com os avanços e desafios do programa. Como se deu a articulação entre as Secretarias da Saúde e Educação, nossas metas e a dinâmica desse trabalho que conseguiu chegar a 212 municípios?, informou a diretora da Unidade de Educação de Jovens e Adultos da Seduc, Conceição Andrade.

No Piauí, o Olhar Brasil atendeu 60 mil estudantes do programa Brasil Alfabetizado. Foram detectados 9.895 casos de cirurgia e dos 45.875 alunos que apresentaram algum problema de visão, todos receberam os óculos. Além do Programa Olhar Brasil, o encontro de coordenadores do Brasil Alfabetizado vai discutir as novas funções e responsabilidades dos coordenadores de turmas que atuam no programa.

Formação de educadores, atualização de dados e relatos de boas práticas de alfabetização também estão na pauta do evento, que reunirá 500 gestores dos estados de Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Ceará, Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte.

Conceição Andrade diz que o encontro trará uma novidade para os coordenadores de turma. Cada coordenador receberá uma senha de acesso ao programa, onde deve inserir e atualizar dados, funções até agora exercidas apenas pelos gestores municipais e estaduais. ?Esse é mais um passo, aliás, é um salto para o programa, porque agora o Brasil Alfabetizado vai ser acompanhado de perto e terá sem dúvida nenhuma, uma melhor avaliação. A avaliação que os coordenadores têm do processo de alfabetização?, destaca.

As ações e políticas públicas para reduzir o índice de analfabetismo são notórias no Estado. O Piauí foi o único que realizou um censo educacional específico, o Pace, para localizar os analfabetos; fez seleção para professores e coordenadores de turma; promoveu formação iniciada e continuada de professores; comprou e distribuiu livros didáticos e conseguiu implantar e executar o Programa Olhar Brasil. ?Essas ações passaram a ser um estímulo para que jovens e adultos retornassem e não abandonassem a escola?, acrescenta Conceição Andrade.

?A Secretaria da Educação fez e continua fazendo um trabalho de mobilização muito forte com a população e também com os gestores municipais. O Conselho de Educação aprovou a abertura de 98 escolas municipais de EJA e isso é uma conquista, mostra que os gestores municipais estão sensíveis à causa e que agora será mais fácil fazer com depois de alfabetizado o aluno do Brasil Alfabetizado continue os estudos sendo inserido em uma turma de EJA?, frisou.

Fonte: CCOM, www.pi.gov.br