Ônibus precário afasta alunos de escola na Chapadinha Sul

A denúncia é do coordenador pedagógico, Adilson Apiaim.

Frequentar a escola tem sido um problema para os alunos matriculados na Unidade Escolar Lucas Meireles, localizada no assentamento 17 de abril, no Km 21 da BR-316, região da Chapadinha Sul.

Isso porque a situação do ônibus que faz o transporte é precária e não oferece segurança para os estudantes. A denúncia é do coordenador pedagógico, Adilson Apiaim.

Fotos enviadas pelo professor Adilson Apiaim comprovam o deterioramento dos veículos. A parte mecânica do ônibus está comprometida. Os freios quase não funcionam, pneus estão desgastados, assentos com o revestimento rasgado, janelas quebradas, falta de cinto de segurança e até a barra da direção está quebrada.

A escola oferece o ensino médio e o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) para alunos das nove comunidades que formam o assentamento 17 de abril.

“Nessa zona moram quase duas mil famílias e só essa unidade escolar dispõe dessas modalidades”, afirma o professor Adilson. Segundo ele, a má condição dos veículos é a principal responsável pelo aumento no índice de evasão escolar da região.

Para se ter uma ideia, dos 190 estudantes matriculados na Unidade Escolar Lucas Meireles, somente 135 continuam frequentando a escola. A maioria mora a 12 Km de distância do colégio.

“Os pais não querem que os filhos corram risco de sofrer acidente e acabam os matriculando em escolas mais distantes, como em Teresina ou Dermeval Lobão.

Acontece que com o passar do tempo eles não têm como pagar a passagem de ônibus dos alunos e acaba havendo desistência”, explica o coordenador.

Na última semana um episódio causou revolta nos alunos. Segundo o professor Adilson, os estudantes tiveram que descer do ônibus e atravessaram um trecho da BR-316 a pé.

A medida foi para evitar um acidente, pois o motorista do ônibus perdeu o controle do freio do veículo. O acontecimento foi registrado por meio das câmeras dos celulares dos alunos.

“Essa situação é uma das mais precárias que já vivenciei durante todos os anos em que trabalho como coordenador pedagógico”, lamenta o professor Adilson.

Em entrevista ao jornal Meio Norte, o diretor administrativo da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Ronald Moura, garante que a pasta está ciente da gravidade do problema e que tomará as devidas providência para resolver a situação. De acordo com Ronald Moura, o problema é específico.

Por determinação da secretária estadual de Educação, Rejane Dias, uma comissão de fiscalização de transporte escolar foi instalada com o objetivo de identificar casos como o que ocorre na Unidade Escolar Lucas Meireles e cobrar das empresas responsáveis a melhoria do serviço.

“Fui nomeado presidente da comissão e vamos verificar in loco essa denúncia e notificar a empresa responsável.Vamos fazer um relatório e isso pode acarretar até na rescisão do contrato com a prestadora do serviço”, afirma Ronald Moura.

Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel