Pacientes com câncer terão moradia através de projeto social no Piauí

A Rede Feminina de Combate ao Câncer é a primeira instituição filantrópica do Brasil a realizar o programa “Minha Casa, Minha Vida Entidades”, com residências adaptadas para a família

A Rede Feminina Estadual de Combate ao Câncer do Piauí (RFCC-PI) é a primeira instituição filantrópica do Brasil a realizar o programa “Minha Casa, Minha Vida Entidades”. De acordo com Carmen Campelo, presidente da RFCC-PI, o projeto consiste na construção de condomínios de casas dirigidos a famílias com pacientes oncológicos.

Todas as casas terão estrutura adaptada aos pacientes. “Banheiros, portas, tudo será acessível ao paciente. Além disso, os espaços contarão com áreas comuns voltadas para a profissionalização e ainda levando em consideração o modelo sustentável, para que todas tenham uma consciência”, explica a presidente.

O primeiro condomínio terá 24 casas, além da área comum. A expectativa da presidente é de que em 5 meses esteja sendo iniciada a construção das casas. “Já estamos com o projeto bem adiantado, acredito que falta pouco para as obras iniciarem”, comenta ao frisar que a entidade já tem o terreno onde será construído o segundo condomínio, que terá 26 casas.

O projeto dos condomínios, além de garantir moradia acessível às famílias em situação social de vulnerabilidade, dará à RFCC-PI o título de primeira entidade a encabeçar e desenvolver esse tipo de projeto em todo o Brasil.
O programa, ligado à Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, é dirigido às famílias de renda familiar mensal bruta de até R$ 1.600,00 e estimula o cooperativismo e a participação da população como protagonista na solução dos seus problemas habitacionais. Até o final deste ano, o Governo Federal deve entregar 200 casas aos beneficiados selecionados para o programa Minha Casa, Minha Vida Entidades.

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Aline Damasceno