Pacientes do MA estão sem atendimento no PI, diz Noé

Segundo o secretário municipal de Saúde, Noé Fortes, a demanda de pacientes vindo do estado vizinho aumentou muito nos últimos anos

Teresina está desde o primeiro dia do ano sem atender pacientes oncológicos do Estado do Maranhão. Segundo o secretário municipal de Saúde, Noé Fortes, a demanda de pacientes vindo do estado vizinho aumentou muito nos últimos anos e já estava comprometendo o bom atendimento aos pacientes.

?Muitas vezes chegavam pacientes de madrugada e isso cria dificuldades no atendimento. Nós não queremos parar de atender os pacientes do Maranhão, o que queremos é organizar esse atendimento e rever a quantidade de pacientes que eles mandam para Teresina.

Precisamos sentar com os gestores do Maranhão e conversar sobre isso?, disse Noé Fortes. Está marcada para o mês de janeiro uma reunião entre representantes da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão e da Secretaria Municipal de Saúde de Teresina.

Enquanto não se chega a um acordo, apenas os pacientes que já recebem tratamento em Teresina continuarão sendo assistidos pelos serviços de saúde da capital. Novos pacientes não serão aceitos. ?Nós só temos um hospital que faz esse tipo de atendimento em Teresina e ele está sobrecarregado, por isso a suspensão?, afirmou o secretário.

Ele afirma ainda que desde 2011 era para o Maranhão estar repassando uma verba mensal para Teresina, para que a capital pudesse atender os pacientes vindos do Estado vizinho, mas esse repasse nunca aconteceu.

Como resultado, a dívida do Estado com a capital já chega a cerca de R$ 8 milhões. ?Quando falamos nessa dívida, eles falam que não reconhecem e alegam que os pacientes atendidos por nós não foram encaminhados por eles, mas nós temos as guias de encaminhamento?, afirmou.

O oncologista e mastologista do hospital que atende esses pacientes em Teresina, Antônio Fortes de Pádua Filho, afirma que ainda não foi comunicado oficialmente que deverá suspender os atendimentos a novos pacientes .

?Nós temos uma parceria com a Prefeitura Municipal de Teresina. Se eles disserem que temos que atender, nós atendemos, e se disserem que não devemos, nós paramos o atendimento?, afirmou.

Fonte: Pollyana Carvalho