Pacientes esperam até quatro horas em fila de farmácias

Usuários de medicamentos excepcionais distribuídos pelo Sistema Único de Saúde chegam a esperar por até 4 horas para conseguirem ser atendidos

As pessoas que precisam retirar remédios na farmácia de medicamentos excepcionais, no centro de Teresina, estão tendo que exercitar a paciência. Os relatos dão conta de que a espera por atendimento pode chegar a quatro horas.

Na portaria da farmácia, localizada na Rua 24 de Janeiro, nas proximidades da Igreja de São Benedito, há um aviso que diz que nos meses de maio, junho, julho e agosto o local passa por uma migração dos sistemas de dados, o que tornou necessário o recadastramento do público atendido, e que ?portanto, o atendimento será mais demorado que o habitual?.

A informação da mudança do sistema foi confirmada pela diretora da assistência farmacêutica, Natália Takeuchi Ayres. ?O novo sistema, chamado Hórus, foi disponibilizado pelo Ministério da Saúde para a melhoria do Sistema de Gestão da Assistência Farmacêutica de todo o Brasil.

Diante disso, é necessário o recadastramento de todos os 13.000 pacientes no Estado do Piauí. Estimamos que até setembro finalizaremos o recadastramento. Desta forma, o atendimento voltará ao normal?, disse ela.

Enquanto o sistema é implantado, o panorama de filas e esperas continua.

Uma usuária dos medicamentos da farmácia conta que não era acostumada a esperar tanto. ?Realmente era bem mais tranquilo, mas neste mês tudo passou a ser mais demorado. Na semana passada, cheguei antes das 11h e só saí quase 16h?.

Outra usuária, que preferiu não se identificar, diz que as pessoas estão buscando chegar cada vez mais cedo à farmácia, para tentar pegar as primeiras senhas. Ela conta que, na semana passada, a vigilante chegou para trabalhar no local e já encontrou 35 pessoas aguardando o começo dos atendimentos.

Na farmácia popular, que fica ao lado da de medicamentos excepcionais, a espera também é grande. Muitos aguardam em pé ? caso da dona de casa Lucimar Carneiro, de 57 anos. Ela, que buscava um medicamento contra asma, chegou às 08h e pegou a senha de número 61.

Conversamos com ela por volta das 09h30, e as senhas que estavam sendo chamadas ainda se encontravam na casa dos 20. ?Não sei que hora vou sair daqui?, disse ela, aguardando pacientemente.

Fonte: Dowglas Lima