Pacientes reclamam de falta de medicamentos na Farmácia de Excepcionais

Eles, no entanto, reclamam que o medicamento é caro e querem voltar a receber junto à Farmácia Excepcionais

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUARTA-FEIRA(02) DO JORNAL MEIO NORTE

Os pacientes que sofrem com Alzheimer e recebem gratuitamente o remédio Galantamina para tratamento, na Farmácia de Dispensação de Medicamentos Excepcionais, estão tendo que comprá-lo em outras farmácias da cidade, porque ele está em falta no órgão estadual. Eles, no entanto, reclamam que o medicamento é caro e querem voltar a receber junto à Farmácia Excepcionais.

Andreia Eliane Costa e Silva conta que sua mãe recebe o medicamento há mais de dois anos e nunca teve nenhum problema para a retirada do remédio, em anos anteriores. Em 2014, no entanto, ele já esteve em falta por duas vezes. ?Há cerca de três meses, também não pude receber o medicamento, porque estava em falta. Agora está novamente?, lamentou.

O remédio deveria ter sido recebido no dia 25 desse mês, mas segundo Andreia, além de dizer que estava em falta, eles não deram previsão de quando ela poderia ter acesso ao medicamento. ?Depois do dia 25, eu fui lá outra vez para ver se já havia chegado, mas eles me disseram que ainda não. Vamos ter que comprar, mas é muito caro. Uma caixa com 30 comprimidos, que só dura um mês, custa mais de R$ 200,00, isso além dos outros medicamentos que ela já toma e temos que comprar?, disse.

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), através da sua Assessoria de Imprensa, informou que o medicamento está em processo de aquisição e explica que a demora se deve ao fato de nenhuma proposta ter sido feita pelas empresas que fornecem o medicamento, no pregão. Para tentar resolver de forma mais rápida esse problema, a Sesapi vai comprar o medicamento de forma emergencial.

Fonte: Pollyana Carvalho