Padrasto revala ter espancado menina até a morte em um suposto prostíbulo

Delegado espera laudo para saber se criança foi abusada sexualmente

O padrasto da criança de três anos que foi encontrada morta no sábado (14) em um suposto prostíbulo em Cajati, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, confessou ter agredido a menina até a morte. Em um primeiro momento, Rayana Cristina Ferreira de Lima, mãe de Camilly Vitória Ferreira de Miranda, havia afirmado que a filha tinha caído da escada de um bar. A participação dela no crime ainda é investigada. A menina chegou a ser encaminhada para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.


Padrasto confessa ter espancado menina até a morte em suposto prostíbulo

A versão já havia sido levantada pela família, que afirmou que a criança teria sido encontrada com diversas marcas de agressão. A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelo caso, Tedi Wilson de Andrade. ?Quando recebemos a notícia das agressões, tratei de enviar um investigador até o local. Ele constatou que as lesões não eram pequenas e que algumas delas eram antigas, outras mais recentes. Com isso, depois da morte da criança ser confirmada, falamos com o casal e eles apresentaram a história da queda no bar. Depois, quando os interroguei separadamente, eles confessaram o espancamento da menina?, conta.

No entanto, segundo o delegado, o casal contou histórias diferentes para a morte. ?A mãe disse que só o padrastro, Erik Leite de Carvalho, espancou a menina e que ele pediu para ela ocultar a história. Já o homem admitiu que bateu na criança até a morte, porque era madrugada e ela não parava de chorar. Contou que havia bebido e se drogado com cocaína. No entanto, ele diz que a mãe também ajudou a espancar, que quando a menina parou de chorar, eles pararam de bater?, relata Tedi.

O delegado afirma ainda que, ao falarem sobre o episódio, tanto a mãe, que tem mais um filho, quanto o padrasto se mostraram indiferentes. ?Ao contar o que aconteceu, ele foi frio, falou como se nada tivesse acontecido. A mãe também foi fria, sem remorsos. Ela só chorou uma vez, quando viu a criança, mas a reação dela não foi de desespero?, comenta.

Já sobre o andamento das investigações, Tedi espera o resultado de exames periciais para saber se a criança foi abusada sexualmente. ?Temos a hipótese de ter havido violência sexual, mas só poderemos comprovar a história quando sair o exame pericial?, relata.

Indagado sobre a versão da família da menina, de que o local onde a criança foi agredida, conhecido como "Pantera Negra", seria um prostíbulo, o delegado diz que só a investigação irá confirmar. ?Se trata de uma lanchonete, um bar. Eu questionei a proprietária do estabelecimento, mas ela tem alvará de funcionamento do local como um bar. Nos fundos há seis quartos. A dona alega que a mãe chegou há 20 dias e que ela trabalharia no balcão para pagar a estadia. Agora, se há encontros amorosos no local, é uma situação que ainda temos que apurar. Pelo que pude constatar, é um bar mesmo, com estrutura bem precária até?, completa.

Conselho Tutelar

A avó da vítima, mãe da suspeita, afirma já havia denunciado o casal por maus-tratos ao Conselho Tutelar da cidade, mas que nada foi feito. Por meio de nota, o órgão esclarece que a situação foi mesmo informada e que procedeu duas visitas como ação verificatória no bar, mas nas duas ocasiões não encontrou nem o casal nem as crianças. No local foi informado por uma atendente que não havia ninguém morando na casa.

Fonte: G1