Pai de brasileiro desaparecido no Peru espera encontrá-lo vivo

Pai de brasileiro desaparecido no Peru espera encontrá-lo vivo

Mochileiro desapareceu na região de Cusco no dia 21 de dezembro. Área em volta de distrito está sendo cercada por policiais, disse pai

O pai do brasiliense Artur Paschoali, de 19 anos, desaparecido desde 21 de dezembro no Peru, acompanhar a polícia peruana neste sábado (5) durante as buscas pelo rapaz no distrito de Santa Teresa, próximo a Machu Picchu, na região de Cusco. Os trabalhos começaram às 7h no horário local ? 10h em Brasília.

De acordo com Wanderlan Vieira, pai do rapaz, por volta de 9h30 (12h30 em Brasília) a polícia estava começando a cercar a área em volta de Santa Teresa. ?Vamos ficar na entrada da cidade, pois existe a suspeita de que ele possa ter sido preso por alguém. Uma senhora falou que viu dois homens com ele subindo para determinado local no dia 21?, disse o pai.

Vieira também contou que está otimista. ?Nossa expectativa é encontrar o Artur vivo ainda hoje?, disse o pai. Wanderlan seguiu para a região onde o filho desapareceu no início da semana, acompanhado da esposa. Segundo ele, neste sábado mais policiais chegaram ao local das buscas para auxiliar o trabalho, além de agentes de criminalística.

O irmão do mochileiro, Felipe Paschoali, está em Brasília e contou que também tem boas expectativas. ?A gente vai começar a semana com a notícia de que o Artur está com os meus pais. Esta é uma confiança sobrenatural?, disse. Felipe contou, ainda, que os pais chegaram a fazer mais um registro do desaparecimento de Artur nesta sexta-feira (4) em Quilabamba, cidade maior que Santa Teresa, cerca de 150 quilômetros ao norte.

O Itamaraty informou na noite de sexta que a polícia peruana enviou uma equipe multitécnica, especializada em resgates em montanhas e rios, para auxiliar nas buscas de Artur. De acordo com o órgão, cães farejadores ajudarão a equipe. Além disso, o encarregado de negócios brasileiros em Lima agendou reunião com o ministro do Interior do Peru para discutir quais providências adicionais podem ser adotadas.

Na manhã de sexta, a família do rapaz cobrou mais empenho. "O Itamaraty ligou ontem [quinta-feira], às 23h, depois que passou no Jornal Nacional. Disse que está se mobilizando, que está apoiando, mas não fala nada de concreto, não diz o que é esse apoio, não falaram se vão mandar pessoas para ajudar nas buscas, quantas pessoas vão mandar. O Itamaraty tem que fazer algo, e rápido", disse o irmão de Artur, Felipe Paschoali.

O Itamaraty informou que foi comunicado sobre o caso na quarta-feira (2) e que desde então tem se mobilizado para acompanhar e apoiar os pais do rapaz desaparecido. A Embaixada do Brasil em Lima está dando suporte e auxiliando nas buscas, distribuindo fotos e informações sobre o Artur para guias turísticos, agentes de viagens e população local.

O adido policial da Embaixada e o cônsul honorário do Brasil na região de Cusco também estão auxiliando a família. Além disso, o diplomata Carlos Garcete foi designado para acompanhar os trabalhos e agilizar as buscas. A chegada dele a Lima estava prevista para a noite desta sexta. Ele deve permanecer no local até a solução do caso.

Fonte: G1