Pai de dentista morta desabafa: ‘Ele era diabo em figura de gente’

Pai de dentista morta desabafa: ‘Ele era diabo em figura de gente’

O cabo da PM Leandro Pinto de Carvalho, de 36 anos, principal suspeito do crime

Marcos Peixoto, de 64 anos, pai da dentista Fabíola da Cunha Peixoto, de 24, assassinada a tiros na madrugada deste domingo em Olaria, disse que não gostava do namorado da filha, o cabo da PM Leandro Pinto de Carvalho, de 36 anos, principal suspeito do crime.

? Os dois (Fabíola e Leandro) se conheceram numa casa de shows há uns dez meses. Com o tempo, comecei a sentir que ele não era uma pessoa do bem. E pai não se engana. Quando ele ia lá em casa, não era de conversa. Cheguei a perguntar a Fabíola: ?É esse o homem que você quer para sua vida??. Ele é um monstro, o diabo em figura de gente. Esse homem destruiu a minha família toda. Só peço a Deus e à polícia que prendam esse assassino imediatamente ? afirmou Marcos.

Ainda segundo ele, Fabíola e Leandro chegaram a se separar, mas reataram há cerca de um mês:

? Quando minha filha falou que ia voltar com ele, eu briguei muito com ela. Minha filha era um doce de pessoa. Muito educada. Todos estão chorando a morte dela, sentindo a falta que ela faz.

A Justiça aceitou o pedido de prisão temporária por 30 dias de Leandro. Ele agora é, oficialmente, um foragido da Justiça.

Fabíola e Leandro passaram parte do sábado com os pais da jovem num chá de bebê. À noite, foram a um pagode. Na volta, já na madrugada de domingo, seguiram direto para a casa de Leandro, onde discutiram. O corpo da jovem apresentava lesões de defesa, como se ela tivesse tentado se proteger dos tiros ? foram quatro que atingiram a vítima.

Na casa de Leandro, policiais da Divisão de Homicídios (DH) encontraram num armário R$ 63.420 em espécie, um cheque de R$ 200 mil, quatro braceletes e um laptop. O material foi apreendido e levado para a DH. Os policiais também encontraram a caixa e a nota fiscal de uma pistola calibre ponto 40.

? Muito provavelmente ele cometeu o crime com essa arma ? disse o delegado da DH André Leiras.

Fabíola foi descrita por parentes e amigos como uma menina estudiosa e querida. Ela formou-se em odontologia na Unigranrio, em Duque de Caixas, em 2012. Começou a faculdade com 21 anos, e, atualmente, estava cursando a pós-graduação em Ortodontia na mesma instituição, curso que terminaria em julho. Fabíola trabalhava como dentista numa clínica de Cascadura, na Zona Norte do Rio.

A amigos e parentes, Fabíola já havia confidenciado que Leandro era um namorado difícil, de forte temperamento.

? Todo mundo avisou a Fabíola que esse relacionamento não era saudável, justamente pelas coisas que ela comentava. Mas não esperávamos que fosse chegar a esse ponto ? comentou um amigo que não quis se identificar.

Fonte: Extra