Brasileiro luta para que filho com americana não vá para adoção nos EUA

Brasileiro luta para que filho com americana não vá para adoção nos EUA

Ex-esposa do capixaba atropelou e matou uma americana e foi presa. Menino ficou com amigos e processo para adoção será julgado no dia 13

O capixaba Carlos Eduardo Brito, de 32 anos, briga para ter a guarda do filho, de 9 anos, que mora nos Estados Unidos e pode ser dado para adoção. O autônomo morou no país por doze anos, teve o filho, se separou da mulher e voltou ao Brasil. Mas, em julho deste ano, a sua ex-esposa estava alcoolizada, se envolveu em um acidente de trânsito que resultou na morte de uma chilena naturalizada americana. A mãe do seu filho foi presa e perdeu a guarda do menino por tê-lo deixado sozinho em casa. Carlos Eduardo disse que não consegue o visto para buscar o garoto por ter ficado no país além do tempo permitido. O Itamaraty foi procurado, mas ainda não se posicionou sobre o assunto.

O pai da ex-esposa de Carlos Eduardo está nos Estados Unidos para acompanhar o julgamento da filha, que pode acontecer nesta quinta-feira (6). Enquanto isso, o capixaba corre contra o tempo para juntar documentos que comprovem as suas condições para cuidar do próprio filho. ?Estou impedido de entrar nos Estados Unidos por que fiquei 12 anos e não 10, como era permitido. Não sei mais o que fazer. Quero dar carinho, amor e educação ao meu filho no estado onde eu nasci?, disse.

O filho do capixaba, é Matheus Braga Britto Pereira, nasceu no estado de Boston e por isso tem dupla cidadania. De acordo com o pai, desde o dia do acidente, a criança esta sob a guarda de um pastor, amigo da família. O menino não sabe o que se passa e acredita que a mãe esteja doente e não presa. No próximo dia 13, o governo americano decidirá, em julgamento, se o menino será dado para adoção ou não.

?Ela sempre foi uma mãe muito cuidadosa, não tinha o que reclamar. Sempre cuidou do nosso filho muito bem e sempre mantínhamos contato pela internet, foi assim que acompanhei o crescimento do Matheus. Mas a lei americana é muito severa. Além de ter bebido, ela dirigiu um veículo sem ter carteira e ainda deixou nosso filho sozinho no dia do acidente. Ela perdeu definitivamente a guarda dele. Já nos famos e a vontade dela é de que Matheus venha morar comigo?, disse o pai.

A trajetória

Carlos Eduardo Brito disse que vive de rendas de alugueis de seis imóveis. Ele se casou de novo e atualmente mora em São Torquato em Vila Velha, na Grande Vitória. O capixaba contou que foi para os Estados Unidos em 1997, casado com a mãe de Matheus. Eles moraram juntos até os três anos do menino e depois se separaram. Carlos disse, que em Boston, montou uma companhia de pintura e a esposa ficava em casa.

Já separado, a mãe do capixaba teve câncer e ele precisou voltar ao país de origem e nunca mais voltou aos EUA. ?Matheus tem pai, tem avós e primos, ele tem uma família inteira aqui no Espírito Santo. Os americanos quando ouvem falar em brasileiro acham que moramos em favelas, somos medíocres e não temos condições de criar nossos filhos, isso é um absurdo. Vou lutar pela guarda do meu filho até o fim?, desabafou Carlos Eduardo.

Fonte: G1