País tem mais de 30 milhões de pessoas que só conseguem assinar o nome, diz o IBGE

País tem mais de 30 milhões de pessoas que só conseguem assinar o nome, diz o IBGE

O número de analfabetos funcionais não diminuiu nos últimos três anos.

Mais de 30 milhões de pessoas no Brasil com mais de 15 anos só conseguem escrever o próprio nome e entender textos curtos e simples. Segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), organizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com base em dados de 2011, esse número representa 20,4% da população.

Ao contrário da taxa de analfabetismo, que caiu 1%, o número de analfabetos funcionais, como são chamadas as pessoas que conseguem compreender apenas as informações do dia a dia, como o nome da linha de ônibus e escrever um bilhete, se manteve o mesmo nos últimos três anos.

Na região Nordeste, a situação é mais greve: 30,9% das pessoas que estudaram ao menos quatro anos ao longo da vida são analfabetas funcionais, enquanto no Sudeste o índice é de 14,9%.

Enquanto em todo o País o índice se manteve ou caiu, a região Norte registrou aumento nessa taxa, passando de 24% das pessoas com analfabetismo funcional em 2009 para 25,3% em 2001.

Já nas regiões Sul e Centro-Oeste, a taxa não teve variações significativas nos últimos três anos e se manteve em 15% e 18%.

Fonte: R7, www.r7.com