Papa Bento XVI reconhece milagre atribuído a Nhá Chica

Papa Bento XVI reconhece milagre atribuído a Nhá Chica

Este é o último passo antes da beatificação da religiosa

O Papa Bento XVI assinou na manhã desta quinta-feira (28) o decreto que reconhece o milagre atribuído a Nhá Chica. O anúncio feito pelo postulador da causa no Vaticano, Paolo Villota. Este é o último passo antes da beatificação da religiosa, que morreu em 1895.

Por intercessão de Nhá Chica, uma professora aposentada de 67 anos teria se curado de uma doença crônica, sem explicação científica, em 1995, ano do centenário de morte da religiosa.


Papa Bento XVI reconhece milagre atribuído a Nhá Chica

Em Baependi (MG), cidade em que viveu a Venerável, fiéis rezam um terço no santuário onde estão os restos mortais da religiosa. Três dias de missas e novenas serão iniciados nesta quita-feira.

Com o decreto assinado pelo Papa Bento XVI, a religiosa que viveu no Sul de Minas será beatificada. A data e local da beatificação ainda será divulgada pelo Vaticano.

Entenda a história

A professora aposentada Ana Lúcia Meirelles, que completa 67 anos nesta quinta-feira (28), é quem motivou uma comissão de cardeais do Vaticano a aprovar um milagre atribuído à Venerável. Ao receber a notícia, ela foi imediatamente para a igreja. "Estou muito contente. Fiquei exaltada. É uma emoção muito grande receber esta notícia no dia do meu aniversário. Eu estava no hospital com a minha irmã quando soube e não sei nem descrever exatamente o que sinto neste momento", destaca.

No dia 14 de outubro de 2011, uma comissão formada por médicos do Vaticano estudou e aprovou o milagre atribuído à religiosa. Segundo o postulador da causa de beatificação, Paolo Vilota, os sete médicos chegaram à conclusão que a cura não tem explicação científica.


Papa Bento XVI reconhece milagre atribuído a Nhá Chica

Já no dia 14 de janeiro de 2012, as virtudes heróicas da religiosa (castidade, obediência, fé, pobreza, esperança, caridade, fortaleza, prudência, temperança, justiça e humildade) foram aprovadas pelo Papa Bento XVI.

Fonte: G1