PF prende quatro ex-executivos do Banco Nacional por crimes contra o sistema financeiro

PF prende quatro ex-executivos do Banco Nacional por crimes contra o sistema financeiro

Fontes afirmam que há outros mandados a serem cumpridos ainda nesta terça-feira

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira quatro ex-executivos do Banco Nacional, que sofreu intervenção do Banco Central na década de 90. O ex-controlador da instituição Marcos Magalhães Pinto, o ex-vice-presidente da Área de Controladoria Clarimundo Sant"anna e o ex-diretor Arnoldo Oliveira estão entre eles, confirmou o advogado dos executivos, Nélio Machado. A identidade do quarto preso ainda é desconhecida, mas há informações de que seria o ex-diretor Omar Bruno Corrêa.

O advogado disse que já esteve com os integrantes da cúpula do banco, mas, até as 13h, ele ainda não havia conseguido ter acesso à decisão para ver qual a melhor medida a se tomar nas próximas horas.

? Ainda estou tentando me inteirar da decisão, mas a princípio ela colide com a que foi tomada anteriormente pelo Supremo Tribunal de Justiça, que havia decidido que ninguém poderia ser preso enquanto não houvesse trânsito em julgado ? disse Machado.

Fontes afirmam que há outros mandados a serem cumpridos ainda nesta terça-feira, mas a PF não confirmou a informação.

A PF também não confirmou as identidades dos presos. Depois de serem submetidos a exame de corpo de delito, eles foram encaminhados para o presídio Ary Franco por volta das 11h30m, ainda de acordo com a PF.

"Todos foram condenados por crimes contra o sistema financeiro de forma definitiva em ação penal que tramitou na 1ª Vara Federal Criminal/RJ. As penas variam de 8 anos a 17 anos de reclusão", informou a nota da PF.

Rombo de R$ 5,5 bilhões coberto pelo Proer

Em 2002, os mesmos três executivos já haviam sido presos, junto com outros cinco ex-diretores. Os executivos foram condenados por formação de quadrilha, gestão fraudulenta e prestação de informações falsas ao manipularem mais de 652 contas bancárias para realizar empréstimos fictícios. As operações resultaram num rombo de aproximadamente R$ 5,5 bilhões na instituição, que sofreu intervenção do Banco Central (BC) em novembro de 1995. Em abril de 2000, o Conselho de Recursos do Sistema Financeiro afastou por 20 anos Magalhães Pinto e Sant"anna de qualquer atividade bancária.

A crise financeira do Banco Nacional ? que resultou em um dos maiores escândalos financeiros da era do real ? deu seus primeiros sinais em setembro de 1995, quando o BC descobriu que a instituição estava com problemas de liquidez. O BC descobriu que o Nacional maquiava seus balanços, através das 652 contas fictícias, somando os R$ 5,5 bilhões.

Em novembro de 1995, o BC decretou Regime de Administração Especial Temporária para tentar evitar que a quebra do banco afetasse seus correntistas e o sistema financeiro. Mas as notícias de fraude se espalharam e começou uma onda de saques.

Fonte: O Globo