Cresce número de acidentes no PI

Cresce número de acidentes no PI

Últimos dados são de 2008, quando foram registrados 2.600 casos. Em 2004, esse número não passava de mil.

Os acidentes de trabalho no Piauí aumentaram mais de 150% em quatro anos. Os últimos dados são de 2008, quando foram registrados 2.600 casos. Em 2004, esse número não passava de 1 mil. Predominam os acidentes na construção civil e na telefonia celular.

O médico do Ministério do Trabalho, Luís Lima, destaca as mortes envolvendo pessoas que trabalham na telefonia. ?Isso é um dado preocupante. Somente nos últimos dois meses, três trabalhadores morreram. Dois foram vítimas de choque e um de queda?, declara Lima, acrescentando que isso se deve ao aumento no número de trabalhadores terceirizados.

Segundo o médico, as empresas de telefonia querem baixar os custos, contribuindo para a precarização do trabalho. Ocorre que os funcionários não possuem garantias como carteira assinada e treinamentos necessários para desempenhar as funções que podem submetê-los a situações fatais.

?Essas empresas entram no mercado sem agregar fatores como segurança e saúde do trabalhador. Elas ganham a concorrência, mas acabam matando pessoas?, afirma Luís Lima. Para demonstrar a gravidade do problema, o médico do Ministério do Trabalho relembra a morte de um homem, ocorrida em dezembro. Ele era de Cuiabá e foi terceirizado para prestar serviço a uma empresa de telefonia no Piauí. A morte ocorreu após a queda da torre de manutenção.

?Esse trabalhador não tinha carteira assinada e voltou sem atestado de óbito porque ninguém conseguiu identificá-lo. A empresa que o mandou para cá não tinha programa de prevenção de riscos ambientais e nem de controle de saúde ocupacional?, revela o médico.

Em 2008, foram registradas 18 mortes. Esses são os últimos dados divulgados pelo Ministério do Trabalho.

Fonte: Nayara Felizardo