"Piauí está pronto para atender uma catástrofe", afirma coordenadora

Demonstrações como esta possibilitam analisar o que está dando certo e o que deve melhorar no atendimento de urgência.

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTE SÁBADO (24) DO JORNAL MEIO NORTE

Avaliar a capacidade de atendimento dos serviços de urgência do Estado foi tema da simulação de um grave acidente automobilístico ocorrido na BR-343, próximo ao Parque de Exposições de Teresina. Na ocasião, verificou-se a agilidade da chegada de ambulâncias e a contenção do incêndio pelo Corpo de Bombeiros, assim como o tempo de chegada, atendimento e deslocamento de 40 vítimas a hospitais por parte do SAMU. A operação também envolveu a participação do Exército e das Polícias Rodoviária Federal e Militar, que realizaram o isolamento do local e prestaram as devidas orientações sobre a condução adequada do trânsito.

Ao todo, mais de uma centena de profissionais do Samu de Teresina e Samu Estadual, Corpo de Bombeiros, Exército e Polícias Militar e Rodoviária Federal estiveram envolvidos na simulação, que emulou um acidente de grandes proporções com alto número de feridos. A diretora geral do Samu Teresina, Helsimone Rodrigues, defende a importância da operação, realizada pela última vez em 2010. "A importância dessa demonstração hoje é sistematizar e qualificar o serviço. Na verdade criar na memória do funcionário como realizar o atendimento em uma situação como esta. Temos tudo sob controle em um acidente com 4 ou 5 vítimas. Mas em uma situação onde a quantidade de vitimados ultrapassa nossa capacidade de atendimento, há de se utilizar um método de triagem e priorizar os pacientes mais graves. Precisamos ensinar como o profissional deve se portar em uma situação como essas", destaca Helsimone.

Demonstrações como esta possibilitam analisar o que está dando certo e o que deve melhorar no atendimento de urgência. A operação foi montada com vítimas propositalmente acima da capacidade de atendimento da força para realizar uma avaliação interna que visa melhorar o serviço de socorro às vítimas. Enquanto as Polícias e o Exército realizavam o isolamento do local e a orientação dos veículos que trafegam a pista, ao Corpo de Bombeiros coube a avaliação da contenção do incêndio e retirada das vítimas das proximidades do acidente.

Fonte: Olegário Borges