Piauí já gastou mais de R$ 5 milhões com os acidentados

As estatísticas dos órgãos ligados ao trânsito no Piauí mostram que são bastante altos os índices de vítimas de acidentes de trânsito

As estatísticas dos órgãos ligados ao trânsito no Piauí mostram a cada mês os altos índices desse tipo de ocorrência no Estado. Se por um lado eles são responsáveis por um alto número de mortes e pessoas feridas todos os dias, por outro, eles resultam em altos gastos para os cofres públicos.

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram que no Brasil são gastos cerca de R$ 30 bilhões por ano com vítimas de acidentes de trânsito.

No Piauí, o Sistema Único de Saúde gastou em 2012 um total de R$7.309.236,72 com internações de pessoas que sofreram traumatismo craniano e fraturas.

Em 2013, esse gasto já foi de R$ 5.795.032,79. Destes, a maioria são pessoas que sofreram acidentes de trânsito. A estimativa do Ipea é que os gastos com feridos ficam em torno de R$ 90 mil e com mortos atingem R$ 421 mil.

Dados do Hospital de Urgência de Teresina, para onde vai a maioria das vítimas de acidentes de trânsito do Estado, mostram que um dos maiores problemas são os acidentes envolvendo motociclistas, que ainda são maioria no Piauí.

Hoje, eles representam uma média de 80% dos acidentados que dão entrada no Hospital de Urgência de Teresina.

Os dados do mês de agosto do hospital mostram a gravidade da situação. Nesse período foram registrados 1.345 entradas de pessoas acidentadas no trânsito. Destes, 1.156 envolviam motocicletas. Já as entradas de vítimas de acidentes de carros, chega a apenas 90 casos.

Os pedestres, segundo tipo de acidente mais comum, de acordo com os dados do HUT, chega a 99. Os números deixam clara a diferença quando se observam os números de acidentados envolvendo motociclistas.

Além de ser um gasto a mais para o Estado, os acidentados são um problema para a economia familiar. Segundo dados do Ministério da Saúde, 45,34% das vítimas de trânsito no país têm entre 15 e 39 anos, ou seja, estão em idade produtiva. Em um quinto dos acidentes de trânsito a vítima é o principal responsável pelo orçamento familiar, segundo dados de importantes hospitais ortopédicos do país.

O sociólogo e consultor em segurança no trânsito, Eduardo Biavati, avalia que a perda maior é para as classes com menor qualificação. A explicação é que a maior parte das vítimas têm baixa escolaridade. ?Ajuda a enxugar estoque de trabalhadores braçais. É uma deseconomia da força produtiva. A maior parcela de vítimas é de adolescentes e adultos jovens?, afirma Biavati.

PI já gastou mais de R$ 33 milhões com DPVAT

Os gastos resultantes de acidentes de trânsito não se resumem apenas às internações em hospitais no nosso Estado. Também são altas as quantias com Seguro DPVAT. Só esse ano, de janeiro a junho, esse gasto alcançou os R$ 33.420.858,17. Os maiores gastos ainda são com invalidez, chegando a R$ 6.243,00.

Os números mostram que só nos primeiros seis meses do ano já foi gasto mais da metade de tudo o que foi gasto no ano passado. Dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) mostram que, em 2012, o Estado destinou ao seguro DPVAT o valor de R$ 53.532.761,85. No total, mais de oito mil pessoas já foram beneficiadas este ano.

Qualquer vítima de acidente envolvendo veículo, inclusive motoristas e passageiros, ou seus beneficiários, pode requerer a indenização do DPVAT.

As indenizações são pagas individualmente, não importando quantas vítimas o acidente tenha causado. Além disso, mesmo que o veículo não esteja em dia com o DPVAT ou não possa ser identificado, as vítimas ou seus beneficiários têm direito à cobertura.

Fonte: Pollyana Carvalho