Pingo de sangue em lençol de hospital forma imagem de santa

Pingo de sangue em lençol de hospital forma imagem de santa

Fato ocorreu em hospital do município de Limoeiro, no Agreste do estado. Paciente cujo sangue deu forma à imagem foi a óbito

Uma mancha que apareceu em um lençol de um hospital do interior de Pernambuco, após cair um pingo de sangue de um paciente, tem intrigado muita gente. A imagem formada se assemelha ao rosto de Nossa Senhora de Fátima, de acordo com testemunhas. O fato aconteceu no Hospital Regional de Limoeiro, na cidade de mesmo nome, no Agreste do estado, a 77 quilômetros do Recife.

O diretor do hospital, Roberto Rios, conta que um senhor de 86 anos estava internado, com infecção urinária e suspeita de leucemia, na sexta-feira (15). "A enfermeira foi retirar sangue para proceder um exame, quando caiu uma gota no lençol que o cobria, formando a imagem", conta. De acordo com Rios, o paciente foi transferido para o Hospital Otávio de Freitas, no Recife, mas faleceu na quarta-feira (20).

Diante da comoção dos pacientes e acompanhantes que estavam próximos ao senhor na enfermaria, o diretor da unidade de saúde pediu o lençol para mostrar a alguém da igreja da cidade.

O pároco da Igreja de Nossa Senhora da Apresentação, José Nivaldo da Silva, viu o lençol. "Tem a aparência de um rosto sim. Tem um pouco da imagem de Maria. Mas não me precipito em dizer que é a imagem de santo nenhum", afirmou. Ele disse que a posição da igreja é esperar para ver se a imagem permanece. "Uma vez que ela permaneça, será analisada. A Igreja tem suas próprias fontes de análise. Só a partir daí é que vai se posicionar a respeito do fato, com aprofundamento", disse. De acordo com ele, esse tempo de espera dura em torno de um mês.

Segundo o padre, a Diocese de Nazaré da Mata já foi comunicada. O bispo da Diocese, à qual pertende a paróquia de Limoeiro, Severino Batista, está em viagem e ainda não se pronunciou sobre o caso.

Agora, o lençol está guardado em um local seguro e não revelado, aguardando o posicionamento da igreja. "O tecido foi preservado. Estamos à disposição da igreja, se quiserem fazer alguma análise ou avaliaçao", finaliza o diretor do hospital.

Fonte: G1