Polícia ouvirá enfermeira que deu sedativo a crianças que se queimaram

Polícia ouvirá enfermeira que deu sedativo a crianças que se queimaram

Crianças tiveram queimaduras após tomar medicamento em hospital. Casos aconteceram em Itapevi, na Grande São Paulo

A delegada responsável pelo caso duas crianças que tiveram queimaduras após tomar supostos sedativos informou ao SPTV que a enfermeira que receitou o medicamento no Hospital Nova Vida de Itapevi, na Grande São Paulo, irá depor na tarde desta quinta-feira (27).

A menina Letícia, de 4 anos, sofreu queimaduras em várias partes do corpo. Já o garoto Bruno Martins Araújo Barbosa, de 2 anos, está na UTI de um hospital na capital paulista com insuficiência respiratória aguda e respira com ajuda de aparelhos. Os dois casos foram registrados na delegacia de Itapevi como lesão corporal culposa - quando não há intenção de ferir.

Letícia chegou ao hospital no dia 17, com febre alta e teve de ser internada. Segundo a mãe, uma enfermeira pediu para que ela desse um calmante à menina antes de um exame de tomografia, porque a criança estava muito agitada.

?Quando a Letícia se acalmou, eu inseri o medicamento na boca dela. Quando bateu na boquinha dela, na língua, ela já começou a cuspir. Conforme ela foi cuspindo, foi queimando a pele?, disse a cabeleireira Patrícia Gomes da Silva.

Fotos tiradas pela família mostram a menina com queimaduras em parte do rosto, pescoço e boca. Ela recebeu tratamento no próprio hospital e teve alta no sábado (22). A mãe da menina conta que ela está mais nervosa depois que saiu do hospital e que vai acompanhar as investigações da polícia.

Ao registrar a ocorrência, Patrícia descobriu que o menino Bruno teve o mesmo problema depois de ingerir um suposto calmante dado por uma enfermeira.

Em nota, a direção do Hospital Nova Vida afirmou que as crianças foram bem atendidas e que os médicos prescreveram os remédios corretos para os quadros clínicos que elas apresentavam. Ainda de acordo com a nota, depois da suspeita de troca das medicações, ambos os casos são apurados.

Fonte: G1