Membros do PCC tem regalias em presídios do PI

Membros do PCC tem regalias em presídios do PI

Entre as regalias estaria uma comida melhor, regada a carne de sol, milho, ervilhas e azeitonas

Dois detentos sofreram tentativa de homicídio na Casa de Custódia. Foram perfurados por espetos de ferro no Pavilhão H. As celas das vítimas foram arrombadas e até o momento não se sabe o motivo do crime e nem os autores, já que houve a participação de muitos presos.

Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários, isso reflete a desorganização do sistema. Incrivelmente, os presos da Casa de Custódia não ficam separados apesar de ser sabido que lá é ocupado por representantes de quadrilhas rivais.

?É um problema que vai ser recorrente enquanto não tivermos a Lei da Execução Penal cumprida. A Lei é clara, separar preso provisório de preso sentenciado, de alta periculosidade dos de baixa periculosidade, reincidente serem separados de presos primários. E o que nós temos hoje na Casa de Custódia é uma verdadeira salada, agravada pela situação da superlotação?, explica Vilobaldo Carvalho, presidente do Sinpoljuspi que ainda enfatiza o fato de que, enquanto estiverem ocorrendo esta situação serão recorrentes fatos de rebelião como esses.


02 tentativas de homicídio são registradas na Casa de Custódia

Para ele, se não for resolvida a situação haverá a possibilidade até de que haja maiores conflitos, Segundo o Sinpoljuspi, essa realidade só irá mudar quando forem construídos novos presídios no Estado. O sistema penal no Piauí é alvo de outra denúncia, a de que existem regalias para presos perigosos, principalmente aqueles que pertencem ao PCC - facção criminosa que age dentro e fora de presídios do Estado de São Paulo.

Entre as regalias estaria uma comida melhor, regada a carne de sol, milho, ervilhas e azeitonas. O Sindicato dos Agentes Penitenciários afirma que essas regalias foram concedidas em outubro do ano passado pela Secretaria de Justiça.

?Na época nós nos posicionamos de forma contrária à Secretaria de Justiça ter cedido em diversos pontos, quando havia uma situação de certo controle, a polícia militar havia cercado a área e esse cessão foi equivocada. Tanto é verdade que dias depois foi interceptado um bilhete dizendo que bastava os presos se agruparem que conseguiam regalias e aí, em menos de um mês depois houve novamente um motim que dessa vez já foi controlado com procedimentos diferentes. Naquela ocasião o motim foi controlado com força, mas dentro das medidas legais e previsíveis que o Estado pode usar para conter e garantir a ordem?, finaliza.

Com informações da matéria do repórter Ricardo Moura Fé veiculada na TV MEIO NORTE.

Fonte: Marcilany Rodrigues