381 traficantes foram presos em um ano em Fortaleza

O todo, 381 traficantes, sendo 326 em 2008 (março a dezembro) e 55 em 2009.

Aldeota, Varjota, Centro, Bela Vista, Barroso, Conjunto São Cristóvão, Papicu, Caça e Pesca e Messejana, mais especificamente a Comunidade Pôr-do-Sol. Estes são os principais bairros em que a Polícia Civil identificou a ocorrência de tráfico ´pesado´ de drogas do ano passado para cá.

Cada bairro, representado por traficantes que foram presos, encabeçou a lista de denúncias que chegaram diariamente à Delegacia de Narcóticos (Denarc) no último ano. Ao todo, 381 traficantes, sendo 326 em 2008 (março a dezembro) e 55 em 2009.

Segundo o delegado César Wagner, que completou recentemente um ano à frente da Denarc, alguns dos traficantes presos entre 2008 e 2009 podem ser considerados de grande porte. ´Temos exemplos como o do ´Galo´, do ´Antônio Pequeno´, preso na Comunidade Pôr-do-Sol, da Célia, presa no Centro, e do Luiz Queiroga, que distribuía drogas para usuários da classe média na Aldeota e Varjota´, cita.

Uma das prisões mais importantes aconteceu no dia 30 de maio do ano passado. O alvo foi um dos grupos responsáveis pelo tráfico de drogas na favela Pôr-do-Sol, no bairro Messejana, em Fortaleza. O lucro estimado da quadrilha era milionário. Entre os presos mãe e filho, que trabalhavam juntos na venda de drogas: Margarida Ferreira Viana, 58, e Antônio Carlos Ferreira Viana, 36, o ´Pequeno´, que, segundo a Polícia, movimentava um montante superior a R$ 1 milhão por semestre com o tráfico.

Outro caso que chamou a atenção da Polícia ocorreu no Centro da Capital, já no fim de janeiro último. Seis pessoas, entre elas cinco mulheres, foram presas por inspetores da Denarc, acusadas de fazer parte de uma das maiores quadrilhas de distribuição de cocaína e crack na região do Centro de Fortaleza e Praia de Iracema. Uma das mulheres detidas foi Maria Célia Gonçalves da Silva, 49. Ela é apontada pela Polícia como a líder do grupo, que tinha sua sede no bairro Moura Brasil, popularmente conhecido como ?Oitão Preto?.

Entre os pertences da quadrilha que foram apreendidos, um veículo Fox, de placas JFT-6071, 620 gramas de cocaína, 200 gramas de crack, R$ 1.700 e material para embalar a droga. Segundo César Wagner, ´há pelo menos 20 anos Célia traficava naquela região e nunca havia sido presa por tráfico?.

Além destes, outras pessoas que atuavam de forma ostensiva na venda de entorpecentes da Capital foram presas.

No mesmo período, 56 armas de fogo foram apreendidas, entre elas, fuzis, escopetas, pistolas e revólveres. ´No decorrer das prisões também apreendemos 34 automóveis e 16 motocicletas que estavam em poder dos traficantes, sendo utilizados no comércio de drogas´, destaca.

A ´Operação Tentáculos´, desencadeada em dezembro do ano passado, aumentou o número de prisões e apreensões pela Especializada. Com base em algumas denúncias analisadas, a equipe daquela delegacia mapeou quase 70 pontos da Grande Fortaleza onde havia uma maior incidência de tráfico. Desde o dia 1º de dezembro, 74 acusados de tráfico de drogas foram presos, dentro da ´Operação Tentáculos´. No mesmo período, 52 pontos de vendas de drogas que tinham sido mapeados foram ´fechados´.

Estrutura

A precária estrutura da Denarc - no tocante ao número de policiais e veículos - é um caso à parte, que merece atenção. Com apenas quatro policiais de rua, para fazerem investigações, o chamado ´trabalho de campo´ (campanas, abordagens) e checarem denúncias, a delegacia divide o trabalho de coordenação entre três delegados. ´No cartório estamos, somente, com uma escrivã que é responsável por todos os procedimentos e pelas estatísticas´, relata o delegado.

Problema tão sério quanto este é o da falta de viaturas. Para o trabalho de rua, os policiais contam apenas com dois veículos caracterizados e o mais absurdo: nenhum descaracterizado, item fundamental para a investigação em campo. ´Estamos aguardando o encaminhamento de novos veículos terceirizados´, destaca o delegado César Wagner.

EXCLUSIVO

´Operação Tentáculos´ fecha mais dois pontos de venda

Na semana passada, outra investida da Delegacia de Narcóticos (Denarc) na ´Operação Tentáculos´ culminou com mais cinco pessoas presas, drogas e armas apreendidas. O Diário do Nordeste teve acesso à informação, com exclusividade. A operação foi desencadeada em dois pontos diferentes da Capital e resultou no fechamento de mais três pontos de vendas de drogas.

Na Rua Belos Portos, bairro Castelão, Pedro Paulo da Silva Dias, de 29 anos, Tiago Ricardo do Carmo, 22, e Frederico Bruno Ricarte da Silva, 22, foram flagrados com 100 pedras de crack e um revólver de calibre 38, municiado. De acordo com o que foi apurado pela Especializada, ´o trio praticava assaltos e com o dinheiro arrecadado nos roubos adquiria droga para revender´.

Simultaneamente, no Parque Santa Rosa - Conjunto Coração de Jesus - Maria Regina da Silva Barbosa foi presa também por acusação de tráfico.

Segundo a Polícia, ela é esposa de José Irimar Costa Sales, o ´Fofão´, traficante procurado pela Polícia. ´Percebemos que, do ano passado para cá, houve uma maior incidência de mulheres sendo presas por tráfico, em Fortaleza. Muitas delas assumiram o lugar dos companheiros presos ´, destaca.

Por último, houve a prisão de Francisco Claudenilson Alvino do Nascimento com uma pistola de calibre 380, municiada. De acordo com o delegado, Claudenilson saiu recentemente do presídio, onde cumpria pena por assalto à mão-armada. ´Mas temos informações de que ele migrou para o tráfico de drogas´, afirma.

Francisco Claudenilson já responde a processos por quatro assaltos e três crimes de formação de quadrilha. Desta vez, foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma. Com ele, além da pistola, a Polícia Civil encontrou nove cápsulas intactas, dois telefones celulares e uma moto Twister, que também foram apreendidos.

Para César Wagner, outra importante ação desenvolvida pela Delegacia, entre 2008 e 2009, foi o fechamento de alguns laboratórios de fabricação de crack. ´Com essas descobertas evitamos mais droga distribuída pela Capital´, pondera.

O delegado não sabe por quanto tempo permanecerá à frente da Especializada. ´Assumi um compromisso com o secretário de Segurança, Roberto Monteiro, de ficar um ano à frente da Denarc. Este compromisso, já cumpri´.

SEGURANÇA

Conselho criado para estimular a prevenção

Órgão foi instituido para promover a política estadual antidrogas e oferecer tratamento aos dependentes químicos

O Conselho Estadual Antidrogas foi criado em 8 de outubro do ano passado, na Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Trata-se de um órgão normativo e consultivo nas questões referentes às drogas no Estado, especialmente no tocante à prevenção e ao tratamento.

?O nosso objetivo é promover a política estadual de prevenção às drogas e tratamento de dependentes químicos?, destaca o delegado federal aposentado José Herman Normando Almeida, que foi nomeado este mês como um dos membros do Conselho de Políticas Públicas sobre Drogas (Cepod), como representante da SSPDS, e aguarda tomar posse, junto aos outros conselheiros. Atualmente Herman Almeida é assessor jurídico da SSPDS.

O foco principal do trabalho do Conselho, conforme José Herman, é a educação. ?Esperamos capacitar professores do Estado e do município para lidarem com o problema e orientarem seus alunos. Também esperamos investir em atividades esportivas, que tirem as crianças e jovens do caminho das drogas, tirarem deles a vontade e curiosidade de experimentar as drogas, voltando sua atenção para os esportes, a saúde?.

Além disso, o Conselho deverá atuar ainda na área da saúde, informou Almeida.

Estruturas

?Devemos ativar as estruturas estaduais que possam tratar e recuperar dependentes químicos, especialmente mulheres e crianças. Não há uma estrutura para atender a essa demanda?, adianta.

Fonte: Diário do Nordeste, www.diariodonordeste.com.br