Acrílico no bumbum: Nova vítima foi ameaçada e procurou polícia

Acrílico no bumbum: Nova vítima foi ameaçada e procurou polícia

Três pessoas registraram queixa contra Cecília Tavares, após caso de Vânia Prisco

Após denúncia da jovem Vânia Prisco, que passou por 39 cirurgias depois de utilizar acrílico para modelar o bumbum, mais pessoas denunciaram a falsa médica que realiza o procedimento. As vítimas ficaram com deformações no corpo.

A clínica de Cecília Tavares da Silva Costa fica em Anchieta, na Baixada Fluminense. Uma das vítimas disse que, em setembro de 2011, resolveu modelar o bumbum com o mesmo produto utilizado por Vânia. Ela disse que foi uma amiga que indicou o local.

? Foi uma amiga que me indicou, que fez o procedimento, e a princípio não deu problema nenhum. Depois que começaram a surgir os problemas.

Segundo a vítima, tudo levava a crer que a clínica era um lugar confiável. Na primeira consulta, a paciente foi informada de que estava acima do peso e que precisava, então, fazer uma dieta para depois começar o tratamento de preenchimento do bumbum.

Com isso, ela recebeu alguns medicamentos da suposta médica e percebeu que os rótulos estavam cortados e que não traziam informações sobre o produto. A médica apenas informou que o conteúdo dos potes era o mesmo e que ela dividia em vidros separados para todos os pacientes.

Após tomar a medicação, ela começou a sofrer com dores e inchaços e a ficar com roxos pelo corpo. Então, ela teria pedido um creme para melhorar a situação. No entanto, mais uma vez, algo era omitido. Ela percebeu que a receita que recebeu tinha data e indicação, mas não havia carimbo. A falsa médica, então, disse que ela havia esquecido o objeto no Exército, onde trabalhava.


Acrílico no bumbum: nova vítima diz que foi ameaçada e procurou polícia

Desesperada, ela procurou outros médicos. Foi quando descobriu que Cecília não era médica. Em março deste ano, ela decidiu entrar com uma ação civil contra a falsa médica e foi ameaçada.

? Um dos médicos que eu procurei ligou para a clínica, se identificou. Ele trabalha no Conselho Regional de Medicina e descobriu que ela não era médica, não era enfermeira, não era nada. Aí ela chegou a ameaçar a minha família, ela foi na minha casa e avisou a minha mãe que se eu a colocasse na justiça, eu (vítima) ia ter muito problema.

Depois de ter visto a situação de Vânia em uma reportagem da Rede Record, a administradora criou coragem e registrou a ocorrência. Ela espera que a atitude que tomou incentive outras vítimas da mesma falsa médica a denunciá-la.

? Espero que todo mundo, depois da matéria da Record, como eu, denuncie. Porque quanto mais pessoas denunciarem, fica mais comprovado e evidente o que ela fez.

O Delegado Jorge Farid, da Delegacia de Ricardo de Albuquerque (31ª DP), disse que mais dois registros já foram feitos contra a falsa médica e que as vítimas foram encaminhadas para exames. A polícia investiga o registro da suspeita e afirmou que aguarda o depoimento dela.

Vítima de falsa médica passou por 39 cirurgias

A jovem Vânia Prisco, de 29 anos, internada desde o início do mês de junho em um hospital particular de São Cristóvão, zona norte do Rio, chegou a correr risco de morte nos dois primeiros meses de internação, quando teve uma infecção após reação a procedimento estético.

Ela aplicou acrílico para aumentar o glúteo e teve uma reação 20 dias depois. O procedimento também foi feito pela falsa médica Cecília Tavares da Silva Costa. Vânia já passou por ao menos 39 cirurgias e gastou R$ 50 mil com anestesistas.

Fonte: r7