Acusado de estelionato não quis abrir porta à PMs com mandado de prisão

Imagens filmadas por policiais na ocasião mostram os agentes entrando no apartamento, na Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon

Agentes da 12ª DP (Copacabana) tiveram que arrombar a porta do apartamento de Luis Antonio Alves de Carvalho, acusado de negociar e ?vender? imóveis que não eram dele. O homem e sua mulher não quiseram abrir a porta para os agentes, que tinham, em mãos, mandados de prisão e busca e apreensão no imóvel. Imagens filmadas por policiais na ocasião mostram os agentes entrando no apartamento, na Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon.


Acusado de estelionato n縊 quis abrir a porta para policiais com mandado de pris縊

Segundo a delegada Izabella Santoni, Luis Antonio, de 66 anos, é acusado de aplicar o golpe há 40 anos. Ele alugava apartamentos por temporada, fraudava os documentos e os anunciava em imobiliárias e páginas de internet.

Ele foi preso em casa, na Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon. Além do pedido de prisão preventiva, concedido pelo plantão judiciário, os policiais também cumpriram um mandado pendente por receptação. Ele possui 56 anotações criminais, incluindo 26 por receptação, sete por estelionato, sete por roubo, seis por furto, além de falsidade ideológica e formação de quadrilha.

Uma das vítimas procurou a distrital após descobrir que o apartamento que havia ?comprado? por R$ 500 mil na Avenida Prado Júnior, em Copacabana, tinha outro dono. O apartamento havia sido alugado por Luis Antônio, que falsificou a documentação do imóvel. A delegada vai investigar a participação de funcionários do 14º Ofício de Notas no esquema.

? A imobiliária se limita a fazer a ponte entre comprador e vendedor, sem analisar a documentação ou verificar os compradores anteriores. Já o cartório, que tem a obrigação de verificar a autenticidade dos documentos, foi negligente. Vamos investigar se estavam envolvidos ? disse a delegada.

Fonte: Extra