Acusado de matar internauta diz que perdeu a cabeça

Janinha foi encontrada morta após um encontro marcado pela internet



Preso na manhã desta quarta-feira em uma lan house na região central de São Paulo, Danillo Ederson Fernandes, 29 anos, confessou à polícia ter matado a secretária Janinha Pereira Freitas, 37 anos, que havia conhecido em um site de relacionamento. Segundo a Polícia Civil de Montes Claros (MG), onde ocorreu o crime, Danillo afirmou que pretendia apenas roubar objetos de Janinha, mas acabou "perdendo a cabeça" durante um desentendimento após manterem relação sexual e matou-a por estrangulamento.

Entretanto, o delegado José Messias Tales Alves, titular da regional de Montes Claros, suspeita que o ato sexual não foi consentido. "Há indícios de que o sexo foi mediante violência", disse o delegado, que aguarda o resultado de perícia para determinar se a secretária foi estuprada.

De acordo com a polícia, Janinha foi assassinada em sua casa por volta de 1h40 do último dia 14. O corpo dela só foi encontrado horas depois pelo seu irmão, que desconfiou de sua ausência em um compromisso previamente agendado.

Segundo as investigações, o primeiro contato da secretária com Danillo no site de relacionamento teria ocorrido seis dias antes do crime. No dia 12, o suspeito viajou de São Paulo a Montes Claros para se encontrar com a vítima. Inicialmente, o homem passaria a noite em um hotel, mas acabou hospedado na casa de Janinha.

Uma amiga da secretária que teve contato com Danillo disse à polícia que Janinha não pretendia dar continuidade ao relacionamento com o suspeito. "Janinha estava empolgada com o relacionamento até conhecer o rapaz. Depois ela teria se decepcionado e não iria dar continuidade ao romance", disse a testemunha.

Após matar Janinha, Danillo teria levado um notebook, uma câmera fotográfica, celular e mais de R$ 1 mil da vítima, de acordo com as investigações. A Polícia Civil realizava buscas na tarde desta quarta-feira para tentar localizar os itens furtados. Caso sejam encontradas as provas materiais do crime, o suspeito deve ser transferido ainda hoje para o presídio regional de Montes Claros.

Crimes semelhantes

A Polícia Civil investiga se Danillo fez mais vítimas através do site de relacionamentos. Pelo menos duas moradoras de diferentes cidades mineiras reconheceram o suspeito após a divulgação de sua identidade. Segundo o delegado José Messias Tales Alves, o suspeito se apresentava às vítimas como designer de estampas de camisetas e utilizava seu nome verdadeiro no site. Entretanto, no momento da prisão, Danillo estaria se passando por "Lucas" durante uma conversa com uma possível vítima.

"Ele tem capacidade de influenciar o fator psicológico das vítimas. Ele tem uma boa palavra e uma boa argumentação para conquistá-las", disse o delegado. A polícia acredita que a viagem de Danillo a Montes Claros tenha sido custeada com o dinheiro roubado de outras mulheres.

O delegado da Divisão de Crimes contra o Patrimônio do Deic de São Paulo, Márcio Martins Matias, afirmou que existe a possibilidade de que Danillo tenha aplicado golpes em cidades paulistas. "Nosso interesse era total na prisão dele. Pode ser que existam outras vítimas de furto em São Paulo. Às vezes, a vítima não faz queixa com medo de represálias ou algo nesse sentido, mas com a divulgação da imagem do suspeito preso, acreditamos que novas vítimas possam surgir", disse.

Danillo será indiciado por latrocínio - roubo seguido de morte. Caso os exames feitos pela perícia apontem que Janinha sofreu de violência sexual, ele responderá também por estupro. A polícia investiga se o suspeito assassinou outras vítimas.

Secretária havia rompido relacionamento de 6 anos

Segundo familiares e pessoas próximas de Janinha, Danillo não era a única pessoa com quem a secretária se relacionava pela internet. A funcionária da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes claros teria passado a utilizar o site de relacionamento recentemente, após o término de um namoro que durou seis anos.

O delegado José Mesias fez um alerta para os usuários do serviço online. De acordo com ele, os criminosos se aproveitam da "fragilidade emocional" das vítimas - principalmente mulheres solteiras - para se aproximar delas e conquistar sua confiança. "A todos que têm acesso a esse tipo de site, (sugiro) que tenham cautela de conhecer melhor as pessoas e não levar para o seio de seu lar. Quem se encontra com pessoas desconhecidas está exposto a esses crimes", disse.

Fonte: Terra, www.terra.com.br