Acusado de pedofilia, cineasta Roman Polanski não paga fiança e continua preso

Solto sob condição de ele usar um bracelete eletrônico e permanecer sob vigilância em seu chalé

O cineasta Roman Polanski deve ficar preso em Zurique, na Suíça, pelo menos até segunda-feira (30), pois sua fiança ainda não foi paga, segundo confirmou o porta-voz do Ministério da Justiça, Folco Galli.

O Tribunal Penal Federal decidiu, na última quarta-feira liberar o diretor sob pagamento de 4,5 milhões de francos (quase R$ 8 milhões), mais a condição de ele usar um bracelete eletrônico e permanecer sob vigilância em seu chalé, na exclusiva estação de esqui de Gstaad, nos Alpes.

O cineasta franco-polonês Roman Polanski está detido na Suíça há dois meses a pedido dos Estados Unidos por ter mantido relações sexuais com uma menor há 32 anos.

"Polanski será solto da prisão assim que a fiança for paga, os documentos tenham sido entregues, e o sistema de monitoramente eletrônico seja instalado e testado", disse o Ministério de Justiça em comunicado, na quinta-feira.

Im porta-voz do ministério afirmou que o cineasta será transferido discretamente de uma cadeia em Zurique para a prisão domiciliar em seu chalé nos Alpes. "Nós não iremos exibi-lo como um animal exótico", disse Folco Galli. "Não será uma questão de horas... A fiança tem de ser paga, o transporte e a prisão domiciliar têm de ser organizados."

Quando deixar a cadeia, o diretor de "O pianista" deverá usar um bracelete de monitoramento eletrônico para poder ser rastreado pela Justiça, que temia que ele pudesse fugir do país. De acordo com o porta-voz, as autoridades suíças deverão decidir sobre a extradição de Polanski para os Estados Unidos em algumas semanas.

Prisão

Polanski, de 76 anos, foi detido em 26 de setembro ao chegar ao aeroporto de Zurique, cidade em que seria premiado em um festival de cinema local.

A detenção foi realizada em resposta a uma ordem de busca emitida pelos EUA e frente a sua extradição do país, de onde tinha fugido em 1978 após ter sido declarado culpado de ter mantido relações sexuais com uma adolescente de 13 anos um ano antes.

Polanski enfrentará uma pena máxima de até dois anos se for devolvido aos EUA para prestar contas diante da Justiça pelo caso.

Desde sua detenção, o cineasta esteve em uma penitenciária localizada em Winterthur, a 19 km de Zurique. Batizado de "Via Láctea", seu chalé fica em uma luxuosa estação de esqui em Gstaad.

Apoio de Sarkozy

A atriz francesa Mathilde Seigner, cunhada de Polanski, afirmou que o presidente francês Nicolas Sarkozy foi um grande apoio no processo de prisão domiciliar.

"Não diria que foi graças ao presidente que Roman foi libertado, mas ele foi genial. E o apoiou muito", afirmou a atriz ao jornal "Le Parisien". "O presidente foi muito eficaz", acrescentou.

Mathilde é irmã da companheira do cineasta, a também atriz e cantora francesa Emmanuelle Seigner.

O caso Polanski gerou vivas reações na França, principalmente na esfera artística, onde foi amplamente defendido. O cineasta tem cidadania dupla polonesa e francesa.

Fonte: g1, www.g1.com.br