Acusados de matar policial 'desfilam' em carro aberto na Paraíba

A assessoria da Polícia Militar negou que tenha ocorrido 'desfile'

Três homens e dois adolescentes, suspeitos de envolvimento na morte de um policial militar durante um assalto a um posto de combustíveis na cidade de Patos, no Sertão, foram expostos pela Polícia Militar em um "desfile" em carro aberto após serem detidos no último sábado (6).

As imagens foram feitas pela TV Paraíba e divulgadas nesta segunda-feira (8). Em nota, a assessoria da Polícia Militar negou que tenha ocorrido um 'desfile' com os suspeitos e informou que "os que estavam na parte de cima das viaturas eram maiores de idade e os menores estavam na parte de dentro, sem algemas.

Além de mostrar transparência na ação para evitar possíveis denúncias de que eles teriam sofrido algum tipo de agressão neste trajeto".

Além disto, a nota diz que "os próprios policiais da região evitaram o linchamento dos acusados quando chegaram à delegacia, já que a população estava bastante exaltada com a morte do policial e queria a todo custo agredir os suspeitos".

A operação para prisão e apreensão dos suspeitos mobilizou mais de 80 policiais. Além dos cinco detidos, outros dois criminosos morreram em uma troca de tiros durante a ação, segundo a PM.

Os suspeitos foram presos após a análise das imagens do circuito interno de segurança do posto de combustível. Segundo a polícia, o primeiro dos detidos apontou onde estavam os outros que participaram do crime.

Na chegada à delegacia de Patos, a população se aglomerou e pediu o linchamento dos suspeitos. Ainda de acordo com a Polícia Militar, o grupo detido suspeito de matar o policial militar é apontado como responsável por vários crimes na região de Patos.Na operação, a polícia apreendeu duas espingardas, um revólver, munições, capuzes, documentos, as roupas usadas no assalto, celulares, droga e uma quantia em dinheiro não informada pela polícia.

O tenente-coronel Francisco Campos comentou que a ação foi uma resposta à população da cidade sertaneja. “Nós acreditamos que eles passarão um bom tempo fora de ação. Acredito que seja uma resposta para a sociedade, para a família, para os nossos companheiros do batalhão, para toda a população sertaneja que confia na Polícia Militar”, ressaltou.

Fonte: Gazeta Web