Estudante de 13 anos sofre abuso sexual dentro de sala de aula

Estudante de 13 anos sofre abuso sexual dentro de sala de aula

Menina teria sido empurrada para sala de aula e obrigada a fazer sexo oral

Uma adolescente de 13 anos foi abusada sexualmente na última sexta-feira (1º) por sete jovens numa escola pública de Ceilândia Norte, a cerca de 26 quilômetros de Brasília, de acordo com informações da polícia. A vítima teria relatado que os abusos ocorreram durante o intervalo, dentro de uma sala de aula vazia.

O delegado da Delegacia da Criança e do Adolescente, Fernando Fernandes, informou que três menores chegaram a ser apreendidos, mas já foram liberados. Um rapaz, maior de idade, está preso e outros três adolescentes estão sendo identificados.

Fernandes disse ainda que a menina teria sido empurrada para dentro de uma sala na hora do intervalo e obrigada a fazer sexo oral em dois rapazes. Os outros teriam ficado na porta, vigiando. Os alunos que cometeram o abuso eram mais velhos. A polícia informou que um deles teria filmado a cena com o celular.

A Secretaria de Educação não quis gravar entrevista. Por meio de nota, o órgão informou que só vai decidir que medidas serão tomadas depois da conclusão do inquérito da polícia.

O pai da menina disse que a ela é aluna especial e tem dificuldade de aprendizagem. Em entrevista ao Bom Dia DF, ele afirmou que a filha já teria sido abusada por três vezes na escola. "Ela disse que travou, ficou preocupada de falar na escola e falar com os pais", declarou.

A polícia aguarda o resultado do exame feito no Instituto Médico Legal para saber se também houve outras formas de abuso. O delegado Fernando Fernandes disse que a investigação prosseguirá para identificar a participação de mais jovens no abuso.

"Um segundo relato da vítima indica que há a participação de outros jovens que ainda não foram totalmente qualificados, identificados. Nós prosseguiremos com as investigações, no intuito de investigar esses jovens e apresentá-los, se menores, à Vara da Infância, e, se maiores, à vara criminal competente", disse o delegado.

Segundo Fernandes, como o crime teria ocorrido durante três dias seguidos em horário de aula, a escola pode ser responsabilizada. "O diretor ou servidor responsável pela segurança dos alunos na escola poderá responder, sim, pela omissão, se ficar caracterizado que ele podia e devia agir para evitar que o resultado ocorresse", afirmou Fernandes.

O pai da menina também contou que a adolescente está constrangida e não quer tocar no assunto. A família pretende mudar de endereço e trocar a menina de escola.

Os suspeitos podem responder por estupro de vulnerável. O maior de idade pode pegar até 15 anos de reclusão. Os menores podem ter de cumprir medida sócioeducativa de até 3 anos de internação.

Fonte: G1