Advogada da ex de Giba pede sua prisão por não pagar pensão

Advogada da ex de Giba pede sua prisão por não pagar pensão

Os advogados que representam Giba no processo disseram que não foram notificados até agora de qualquer pedido de prisão.

A advogada Rogéria Dotti, que representa a ex-mulher de Giba, Cristina Pirv, em processo de separação, entrou na semana passada com um pedido de prisão para o atleta, alegando que ele não pagou a pensão nos meses de maio, junho e julho.

De acordo com Rogéria, o atleta, contratado recentemente pelo Taubaté, para a disputa da Superliga, deve aproximadamente R$ 124 mil (R$ 51 mil de maio, R$ 51 mil de junho, R$ 15 mil de julho e R$ 7 mil de correção por atraso).

"Nós pedimos a prisão dele e a juíza mandou o Ministério Público na sexta-feira para analisarem. O MP vai dar um parecer nos próximos dias sobre o pedido. O decreto de prisão é drástico, ainda mais quando têm filhos envolvidos. Mas tive de usar desse instrumento processual pois sequer o colégio ele paga", afirmou a advogada.

Consultados, os advogados que representam Giba no processo disseram que não foram notificados até agora de qualquer pedido de prisão. E defendem-se, dizendo que o valor em atraso é somente o mês de agosto, pois em julho a justiça determinou que o valor da pensão fosse reduzido de R$ 51 mil para R$ 15 mil (informação que Rogéria confirma). Desta maneira, o valor pago em maio (cerca de R$ 150 mil) seria utilizado retroativamente e cobriria maio, junho e julho. Nesta segunda-feira, Giba quitou suas pendências.

"Não fomos intimados quanto a isso (prisão). Ela pode entrar com o pedido, mas tem que ver se a justiça vai acatar isso ou não. Se acatar e ele for preso, vamos apresentar as nossas justificativas e buscar o habeas corpus", diz a defesa de Giba.

A justificativa apresentada à justiça para o não-pagamento dos três meses é a de que Cristina Pirv conseguiu, em fevereiro, o bloqueio de todas as contas de pessoa física que o atleta possui. Sem poder movimentar seu patrimônio, ele ficou impedido de arcar com qualquer despesa, como a de pensão. No dia a dia, Giba tem sido ajudado financeiramente pela atual namorada, Maria Luiza Daudt.

Rogéria Dotti confirma o bloqueio das contas e diz que o próprio atleta foi quem causou isso, já que no dia 8 de janeiro deste ano sacou cerca de R$ 408 mil de uma conta conjunta do casal. Parte disso, porém, foi utilizada em maio para pagar valores de pensão, além de viagens feitas por Giba para a Argentina, onde teve de resolver problemas com seu ex-clube, o Bolívar, que não o pagou durante os sete meses em que esteve lá. Itália e Romênia, de acordo com o advogado, também entraram na rota para levantamentos de imóveis e bens do casal.

A parte sacada representa exatamente 50% do valor que estava aplicado na conta conjunta. Antes de ir ao banco, o jogador consultou seus advogados e foi aconselhado a não tirar um centavo além dos 50%, evitando problemas judiciais. O caso, porém, não tem prazo para terminar. A defesa do camisa 7 tenta desbloquear estas contas para que ele tenha acesso ao patrimônio conquistado ao longo de sua carreira.

Nesta segunda-feira, o UOL Esporte mostrou que Giba acusa Cristina Pirv de não devolver as três medalhas olímpicas (ouro em Atenas-2004, prata em Pequim-2008 e Londres-2012). A advogada da romena alegou que as medalhas estão à disposição do jogador para quando ele as quiser retirá-las no apartamento onde ela mora, em Curitiba, já que os prêmios não seriam bens partilháveis.

A parte do jogador diz ter documentos que mostram que provam que as medalhas foram incluídas no pedido de "sequestro de bens" que a advogada da ex-mulher fez, alegando ter direito a metade do valor das medalhas.

O casal ficou junto por dez anos, mas em novembro do ano passado o relacionamento chegou ao fim. Pirv, em entrevista na época, afirmou que não aguentava mais a vida de traição, baladas e álcool do camisa 7. Em fevereiro de 2012 eles já tinham passado por uma crise, mas reataram e ficaram mais nove meses juntos.

No tempo em que permaneceram casados, Giba e Cristina tiveram dois filhos (Nicoll, de nove anos, e Patrick, de quatro). A justiça determinou em abril que a guarda das crianças ficaria com a mãe, e que o pai tem direito a dois fins de semana por mês para ficar com Nicoll e Patrick.

Fonte: UOL