Advogada teve fratura no maxiliar, dizem médicos do IML e Polícia Civil

Laudo sobre a causa da morte de Mércia Nakashima sairá em até 30 dias

Exames preliminares feitos pelo Instituto Médico Legal (IML) no corpo de Mércia Nakashima indicam que ela sofreu uma fratura no maxilar, segundo informaram fontes médicas e policiais ao G1. A advogada foi enterrada no sábado (12) num cemitério em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Depois de ficar desaparecida desde o dia 23 de maio, a mulher foi encontrada boiando sem vida numa represa em Nazaré Paulista, no interior de SP, na sexta-feira (11). Um dia antes, o veículo dela, um Honda Fit prata, foi achado submerso no mesmo local. Para a Polícia Civil, a jovem de 28 anos teria sido assassinada. Seu ex-namorado, o também advogado Mizael Bispo, de 40 anos, é considerado o principal suspeito pelo desaparecimento e pela morte dela. Uma outra pessoa não identificada teria ajudado a cometer o crime. Bispo se diz inocente.

Hipótese 1

Peritos do IML ainda não sabem o que teria causado a lesão no osso da face de Mércia. A investigação policial trabalha com algumas hipóteses para explicar a fissura no maxilar. Uma delas é a de que ela foi agredida, ficou desacordada e alguém empurrou o automóvel com ela dentro em direção a água. Em tese, a vítima teria saído pela janela do motorista e pisado no teto ?que está amassado.

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) já identificou a testemunha que afirmou ter visto o carro de Mércia ser empurrado na represa. Foi ela quem ligou para a família da advogada para fazer a denúncia que resultou no resgate do corpo da mulher e do veículo. Antes, o homem que disse ter presenciado a cena chegou a ligar para polícia. Ele mora na região de Nazaré Paulista e poderá entrar no plano de proteção à testemunha para prestar um depoimento formal à polícia. Esta testemunha e outra teriam opiniões divergentes sobre a data em que o carro teria caído na represa. A polícia investiga a suspeita de Mércia não ter morrido no mesmo dia em que desapareceu.

Hipótese 2

Outra possibilidade investigada pela polícia é a de que Mércia tenha batido a cabeça no volante do carro ao tentar fugir de alguém. Em seguida, teria entrado com o veículo na água. Nas duas hipóteses, a única certeza é a de que a advogada não sabia nadar, de acordo com os familiares. Policiais não descartam a probabilidade de ela ter sido morta em decorrência de um afogamento.

De qualquer modo, qualquer conclusão ainda é prematura. Até porque a causa da morte da advogada não foi esclarecida oficialmente pelo IML.

O atestado de óbito encaminhado à família da advogada para que ela pudesse ser sepultada neste sábado consta como ?causa da morte a apurar ou indeterminada?. Nesse caso, apesar de a investigação suspeitar de que a mulher foi assassinada e que Bispo está envolvido no crime, ainda é preciso aguardar o resultado do laudo do instituto, que deverá ficar pronto em até 30 dias, para se ter alguma convicção. Tecnicamente, só o resultado dos exames dará elementos para a polícia saber se o caso é mesmo de homicídio ou não.

De acordo com os legistas ouvidos pela reportagem, inicialmente não foram encontrados ferimentos a faca ou projéteis de arma de fogo no corpo de Mércia, que vestia suéter roxo, calça jeans e tênis branco. As mesmas roupas de quando deixou a casa da avó em Guarulhos e sumiu por 19 dias.

Quatro exames do IML começaram a ser feitos em relação a análise feita no corpo de Mércia. Dentre os quais, um toxicológico e outro para se constatar se ela sofreu violência sexual. Na segunda-feira (14), a perícia técnica do DHPP pretende iniciar o trabalho para tentar recolher possíveis impressões digitais no Honda Fit de Mércia.

Fonte: g1, www.g1.com.br