Advogado diz que polícia humilhou os suspeitos

Advogado diz que polícia humilhou os suspeitos

Súmula do STF impede uso de algemas em presos que não oferecem resistência

As algemas impostas pela polícia nos presos pelo desaparecimento de Eliza Samudio desrespeitaram súmula do STF (Supremo Tribunal de Justiça), apontou o advogado Ércio Quaresma. O defensor qualificou o uso das algemas como "humilhante" e "animalesco".

A súmula vinculante número 11 do STF aprovada em agosto de 2008 determina a ilegalidade do uso de algemas em presos que não apresentem resistência à prisão e não representem risco de fuga ou perigo à integridade física própria ou alheia.

Durante as idas dos nove suspeitos do caso Eliza até a delegacia e na volta a prisão, em Minas Gerais, eles foram vistos várias vezes algemados. Quaresma diz que o fato de Fernanda Gomes Castro, amante do goleiro Bruno, ter sido algemada quando chegou ao Departamento de Investigações da Polícia Civil de belo Horizonte (MG) foi uma ?vendetta? [vingança, em italiano] contra ele. Fernanda foi vista chorando na delegacia.

Quaresma anunciou que vai entrar com representação contra a Polícia Civil junto ao STF, à Corregedoria da Polícia Civil e em órgãos de direitos humanos.

Outro lado

O R7 entrou em contato com a Polícia Civil de Minas Gerais, que afirmou que iria se manifestar em breve sobre o caso. O delegado Edson Moreira, que preside as investigações do caso, disse à reportagem do R7 que não iria comentar o assunto.

Depoimento

Na sexta-feira (6), entrevista ao programa Hoje em Dia, da Rede Record, Quaresma disse que o chefe da investigação do caso, delegado Edson Moreira, não considerou o depoimento do adolescente primo do jogador em que ele desmente a história de que Eliza Samudio foi morta e jogada aos cachorros.

- O inquérito está formado igual a uma peneira, cheio de furos.

Quaresma releu parte do segundo depoimento do menor de idade, em que o garoto disse que estava sob o efeito de drogas quando contou à polícia como foi todo o sequestro e morte da Eliza, ex-amante de Bruno.

O advogado também questionou a postura da polícia durante os interrogatórios, que ele comparou com o tempo da "inquisição". Quaresma afirmou que Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, a ex-mulher do goleiro, foi agredida e ameaçada verbalmente.

- Se isso não é tortura, o que é?

Polêmicas

Ércio Quaresma já se envolveu em várias polêmicas desde que assumiu a defesa de Bruno Fernandes e de outros sete acusados no caso Eliza Samudio. O advogado chegou a discutir com o delegado Edson Moreira, que preside as investigações do caso, durante uma coletiva na sede da Polícia Civil ao afirmar que a polícia estava sonegando informações do inquérito aos defensores. Quaresma já chamou as investigações de "teatro de horrores" e chegou a divulgar fotos de uma estudante loira de 21 anos, como sendo de Eliza Samudio que, para Quaresma, está viva.

Fonte: R7, www.r7.com