AfroReggae sai do Complexo do Alemão por pressão do tráfico

AfroReggae sai do Complexo do Alemão por pressão do tráfico

o motivo das intimidações são as denúncias feitas por ele contra o pastor Marcos Pereira, líder de igreja evangélica

O grupo cultural AfroReggae anunciou na tarde deste sábado que está deixando o Complexo do Alemão por pressão do tráfico de drogas. O coordenador do grupo, José Junior, disse pelo Twitter que tinha uma ?péssima notícia? a dar, mas ressaltou que ?se orgulhava em não omiti-la?. A sede do AfroReggae, que foi alvo de um incêndio na semana passada, amanheceu fechada neste sábado.

De acordo com José Júnior, o motivo das intimidações são as denúncias feitas por ele contra o pastor Marcos Pereira, líder da igreja evangélica Assembleia de Deus dos Últimos Dias e acusado de estuprar fiéis. O coordenador também acusa o religioso de ter ligações com traficantes e o responsabiliza pelo incêndio na pousada que o grupo estava abrindo.

Também pelo Twitter, o fundador do jornal A Voz da Comunidade, que também teve a sede destruída pelo incêndio, negou que tenha mudado o nome da festa julina que vai acontecer no local na próxima semana a mando do tráfico de drogas. Renê Silva afirmou que a redação do jornal voltará para o morro do Adeus, onde começou, e disse que mudou o nome da festa de Arraiá da Paz para Arraiá do Alemão por ter ?mais a cara da comunidade?. De acordo com reportagem publicada pela revista Veja, o tráfico proibiu a palavra ?Paz? em qualquer evento que se realiza na comunidade.

José Junior afirmou que já informou as autoridades sobre o fechamento do AfroReggae no Alemão, entre eles o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, com que se encontrou ontem, em Brasília, por intermediação da deputada federal Manuela D?Avila (Psol). José Junior explicou ainda que decidiu fechar o AfroReggae no Alemão porque ?não dá para deixar assassinarem inocentes.?

Fonte: Terra