Amante do pai matou menina encontrada em hotel, diz polícia

Amante do pai matou menina encontrada em hotel, diz polícia

Ainda de acordo com o delegado, o crime teria sido motivado por dinheiro.

A polícia aponta Luciene Reis, amante do pai da menina Lavínia, de 6 anos, como a assassina da menina. A criança foi encontrada morta nesta quarta-feira (2), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, depois de dois dias desaparecida. Segundo o delegado Robson Costa, da 60ª DP (Campos Elíseos), sua prisão já foi pedida à Justiça.

De acordo com a polícia, ela nega o crime, mas testemunhas do hotel teriam-na reconhecido. Ainda segundo a polícia, a menina teria sido assassinada no dia em que sumiu de casa.

"A ganância foi o principal motivo", diz o delegado, que afirma não acreditar que o pai da menina nem o ex-marido de Luciene tenham envolvimento no crime.

R$ 2 mil pode ter motivado o crime

Ainda de acordo com o delegado, o crime teria sido motivado por dinheiro. Luciene sabia que o pai de Lavínia tinha cerca de R$ 2 mil em casa, provenientes da venda de um carro. As investigações indicam que, ao entrar na casa da família, Luciene teria chamado a atenção da menina e resolveu levá-la para não ser reconhecida. A polícia afirma ainda que ela tinha a intenção de incriminar o ex-marido.

No dia do seu desaparecimento, um vizinho chegou a informar que Rony dos Santos, pai da menina, e Luciene haviam brigado durante a madrugada e que a amante teria ameaçado se matar. Procurada pela polícia, ela negou as acusações e foi liberada.

O corpo de Lavínia foi encontrado num hotel, no Centro de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A menina foi vista pela última vez por volta das 3h de segunda, quando acordou com a chegada do pai em casa. A mãe de Lavínia só percebeu o sumiço quando foi chamar a filha para ir à escola, pela manhã.

De acordo com a polícia, o pai da menina e o ex-marido de Luciene ajudaram nas investigações desde a noite de terça (1°). Rony, a pedido da polícia, ligou para Luciene e disse que caso a menina aparecesse, daria os dois mil reais a ela. O ex-marido de Luciene também fez contato com ela pedindo explicações sobre o envolvimento dele no episodio. Ela teria dito ao ex para não aparecer na delegacia porque daria uma quantia em dinheiro para que ele não falasse nada sobre o assunto. A polícia marcou um encontro entre Rony e Luciene para supostamente negociar o dinheiro. O encontro foi marcado em Jardim Gramacho, onde foi realizada a prisão da suspeita.

Menina foi asfixiada com cadarço

Segundo a polícia, o corpo foi achado por uma camareira do hotel, embaixo da cama, de bruços, enrolada numa toalha e com o cordão do tênis enroscado no pescoço.

A movimentação de policiais no local levou uma multidão de curiosos para a frente do hotel. Chorando muito e bastante abalado com a notícia, o tio da menina esteve lá e, em seguida, saiu em diligência com a polícia.

Durante o inquérito, os pais da menina, a mulher apontada como amante do pai e o ex-marido dela foram ouvidos pela polícia, mas foram liberados.

Na noite de terça-feira (1º), uma testemunha afirmou à polícia que viu uma mulher arrastando uma criança com as mesmas características de Lavínia em Caxias.

Quebra do sigilo telefônico

Ainda na terça, a polícia chegou a pedir a quebra do sigilo telefônico dos pais da menina Lavínia e também de Luciene.

O ex-marido de Luciene também foi ouvido e negou ter envolvimento no caso. Após perícia na casa da menina, a polícia afirmou que só foi possível constatar digitais antigas na janela do quarto de Lavínia.

Como foi o caso

Segundo a versão de Andréia Azeredo, mãe de Lavínia, por volta das 3h, Rony teria chegado em casa. A filha acordou, Andréia a levou ao banheiro e depois voltou a dormir. Ela disse que trancou a janela do quarto da criança e a porta de casa, que fica no segundo andar de um imóvel.

Às 5h45 ela acordou, como de costume. Não encontrou a filha e viu a porta de casa e a janela do quarto da criança abertas. Rony, neste momento, estava saindo para trabalhar, segundo ela. ?Falei pra ele que ela tinha sumido e aí começou o desespero?, contou.

Andréia também contou que, antes do marido chegar, ligou para o celular dele dezenas de vezes e em uma delas uma mulher atendeu.

saiba mais

Fonte: g1, www.g1.com.br