Americano que sumiu após ganhar loteria pode estar morto, diz polícia

Americano que sumiu após ganhar loteria pode estar morto, diz polícia

Americano que sumiu após ganhar loteria pode estar morto, diz polícia

Publicidade

da Associated Press, em Lakeland, na Flórida

A polícia americana suspeita que o ex-motorista de caminhão Abraham Shakespeare --que morava com a mãe na Flórida quando ganhou um prêmio de US$ 30 milhões na loteria em 2006-- tenha sido morto.

Shakespeare desapareceu meses atrás, e sua mãe disse esperar que ele esteja em algum lugar do Caribe, deitado em uma praia, longe dos parasitas que estavam constantemente batendo em sua porta atrás de dinheiro. Mas o xerife Grady Judd desconfia de que Shakespeare tenha sido morto devido à fortuna.

"Há uma série de circunstâncias estranhas e bizarras, neste caso", disse o xerife. "Tememos e nos preparamos para o pior. Estamos trabalhando neste caso como se fosse um homicídio".

Shakespeare, 43, ganhou o prêmio depois de ter comprado um bilhete de loteria em uma loja de conveniência em uma cidade chamada Frostproof, afirmando mais tarde que havia dados os últimos US$ 3 que tinha no bolso a um mendigo, pouco antes de os números vencedores terem sido anunciados.

Shakespeare --que tinha uma ficha criminal que incluía detenções e um tempo de prisão por roubo, agressões e dívida de pensão alimentícia-- optou por receber um pagamento integral único de US$ 16,9 milhões em vez de parcelas anuais.

Ele comprou um Nissan Altima, um Rolex de uma loja de penhores, uma casa de US$ 1 milhão em um condomínio fechado e falou sobre criar uma fundação para os pobres, insistindo que o dinheiro não iria mudá-lo.

"Eu não sou uma pessoa materialista", disse ele em 2007. "Eu não deixo coisas materiais me conduzirem. Eu vivo com um orçamento rígido."

Mas o dinheiro rapidamente lhe causou problemas.

Um antigo colega de trabalho processou-o em 2007, acusando-lhe de ter roubado o bilhete premiado dele. Seis meses depois, um júri decidiu que o bilhete era mesmo de Shakespeare.

Havia também as pessoas que constantemente lhes pediam parte da fortuna.

"Eles não esperaram. Eles vieram logo depois que descobriram que ele ganhou o dinheiro", disse recentemente a mãe do apostador, Elizabeth Walker.

Ela disse que o filho era generoso, pagando funerais, emprestando dinheiro para que amigos abrissem empresas e mesmo dando US$ 1 milhão para um homem conhecido apenas como "Big Man".

Pouco tempo depois de ter comprado a casa de US$ 1 milhão, ele foi abordado por uma mulher chamada Dee Dee Moore, disseram a família e a polícia.

Moore --que não foi localizada pela agência de notícias Associated Press-- disse que estava interessada em escrever um livro sobre a vida de Shakespeare. Ela se tornou um tipo consultora financeira do ex-caminhoneiro, que nunca terminou o ensino médio.

Registros de propriedade mostram que a empresa de Moore, a American Medical Professionals, comprou casa de Shakespeare por US$ 655 mil em janeiro passado.

A mãe dele disse que a última vez que o viu foi pouco depois, perto do aniversário dela, em fevereiro.

O xerife disse que a última vez que alguém viu Shakespeare foi em abril --mas apenas em 9 de novembro ele foi dado como desaparecido, por um informante da polícia.

E a história ficou ainda mais estranha.

De acordo com o jornal "The Ledger of Lakeland", Moore entrou em contato com seus repórteres em abril, dizendo que Shakespeare estava entristecido porque as pessoas tentavam sugar seu dinheiro.

Isso faz algum sentido para a mãe de Shakespeare. "Lembro que uma vez, conversando comigo ao telefone, ele disse que poderia ir para a Jamaica", disse ela.

Em 5 de dezembro, Moore disse, soluçando, ao jornal que ela ajudara Shakespeare a desaparecer, mas que agora queria que ele voltasse, porque detetives estavam fazendo buscas em sua casa e carro e buscando sangue em seus pertences.

Um dos motivos para que ele quisesse sumir, disse ela, era um processo de pensão alimentícia para uma criança que supostamente seria dele, depois de ganhar na loteria.

Ela ainda deu ao jornal um vídeo em que Shakespeare diz que está cansado de pessoas lhe pedindo dinheiro.

"Eles não aceitam não como resposta", diz ele.

"Então, onde você quer ir?", pergunta Moore no vídeo.

"Não importa para mim. Eu não sou uma pessoa exigente", responde Shakespeare.

Moore disse ao jornal que ela gravou o vídeo para "se proteger".

Moore disse que vendeu com prejuízo para outra pessoa as promissórias de cinco empréstimos totalizando US$ 370 mil que eram devidos a Shakespeare. Ela acrescentou que muitas das pessoas que pediram dinheiro emprestado a Shakespeare têm se recusado a pagar, e ela se sente ameaçada por alguns deles.

O passado de Moore inclui um ano de liberdade condicional depois que ela foi acusada de falsa denúncia de que sofrera um ataque em seu carro e fora estuprada em 2001. Autoridades disseram que ela inventou a agressão para que a companhia de seguros a reembolsasse por seu carro, que ela disse ter sido roubado.

Policiais se recusaram a comentar o envolvimento de Moore na vida de Shakespeare.

O xerife disse que Shakespeare gastou a maior parte de seu prêmio na loteria e que o fato de ele não ter ligado para a mãe no dia de Natal reforça a teoria de que não está apenas se escondendo.

"Espero muito que ele esteja vivo em algum lugar", disse a mãe. "E eu quero que as pessoas saibam, se elas ganharem na loteria, eu espero que elas saibam como lidar com as pessoas que vêm atrás delas. Elas podem ser perigosas. "

Fonte: AE