Dados contraditórios, especulação sobre chacina corre o mundo todo

Dados contraditórios, especulação sobre chacina corre o mundo todo

Mais que maniqueísmo de novela ou conflito editado de "reality show", o que se viu foi uma rede em expansão, atrás de uma resposta.

Na Record e na Band, as barras de informação dos programas policiais perguntam, por escrito na tela: "O menino matou a família?". E longos posts no Facebook defendem uma ou outra resposta, com raciocínios a partir de informações vazadas.

Mais que maniqueísmo de novela ou conflito editado de "reality show", o que se viu foi uma rede em expansão, atrás de uma resposta.

Como a origem das informações --a autoridade, no jargão da teoria de redes-- é a polícia, que não dá consistência ao que fala, foi uma semana de vale-tudo. A resposta ficou por conta de torcidas, para ambos os lados.

Além do primeiro choque, com a tese de que menino era o assassino, dois detalhes vazados potencializaram o caso para a mídia social e a cobertura mundo afora.

O primeiro foi a vinculação ao game Assassin"s Creed. Marcelo Rezende, do "Cidade Alerta", chegou a manipular o CD, ostensivamente.

Acumularam-se piadas on-line ("Culpa do game: menino viciado em Mario mata tartaruga com cabeçada") e a Ubisoft, que produz o jogo, precisou reagir via Facebook.

O segundo foi a vinculação ao caso --e aos filmes de mesmo nome-- Amityville, um crime dos anos 70. Foi como a notícia se espalhou por EUA e Europa. A CNN americana dedicou quatro minutos e especulou: "A história de Amityville inspirou o massacre?".

Os tabloides londrinos exploraram mais. O "Daily Mail" entrou com Amityville, mas já se desviou para a teoria de que outros policiais cometeram o crime. "Sun" e "Mirror" foram atrás.

Também "Guardian" e "Independent", por sua vez republicados por "South China Morning Post" e "Times of India", globalizando o caso.

Fonte: UOL