Após 25 dias, corpo da menina austríaca continua no IML

No dia 1º de julho a polícia entregou ao Ministério Público o inquérito sobre a morte de Sophie

Após 25 dias de investigação sobre a morte de Sophie Zanger, de 4 anos, o corpo da menina continua no Instituo Médico Legal, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, sem previsão de saída. O pai, o austríaco Sacha Zanger, voltará para a Áustria no próximo domingo (19), quando se completa um mês da morte da filha.

No dia 1º de julho a polícia entregou ao Ministério Público o inquérito sobre a morte de Sophie. No documento, a tia e a prima da vítima foram indiciadas por tortura resultante em morte. As duas podem pegar até 16 anos de prisão. As suspeitas negam as acusações.

De acordo com o delegado Aguinaldo Ribeiro, responsável pelas investigações, o laudo não foi conclusivo para dizer se o ferimento na cabeça foi causado por espancamento ou queda, apesar de Sophie apresentar marcas de que teria sofrido maus tratos.

Ela morreu no dia 19, ao chegar ao hospital com lesões, como traumatismo craniano, além de, segundo os médicos, estar desidratada e desnutrida.

Demora na investigação

Sasha aguarda a liberação do corpo da menina para ser enterrado na Áustria e também espera obter a tutela do filho de 12 anos ? que está sob a guarda provisória da avó de criação, Anayá Rocha.

De acordo com o advogado de defesa de Sasha, Reginaldo Alves Pinho, nesta segunda-feira (13) Sasha foi na Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), para entregar as mesmas denúncias de maus tratos já protocoladas na Ordem dos Advogados do Rio (OAB). Sacha quer formalizar todos os documentos antes de retornar à Áustria.

A 27ª Vara Federal, onde o caso está sendo investigado, exige que o menino passe por um acompanhamento psicológico antes de ser ouvido pela Justiça.

Entenda o caso

Maristela dos Santos, mãe de Sophie, havia se separado do austríaco Sasha Zanger há cerca de dois anos e meio e morava com os dois filhos na Áustria. Ela teria vindo para o Brasil no início de 2008 sem o conhecimento do ex-marido.

Depois de localizá-los, Sasha tentava na Justiça levá-los de volta para a Áustria. Segundo a família, Maristela tem problemas mentais e, depois de ir morar com a irmã Giovana, foi expulsa de casa sem poder levar as crianças.

Enquanto Maristela estava desaparecida, Giovana conseguiu a guarda provisória dos sobrinhos. No último dia 19, Sophie morreu no hospital Adão Pereira Nunes, na Baixada Fluminense.

A tia e a prima da vítima foram consideradas suspeitas do crime pela polícia. A mãe da menina foi encontrada pela polícia. Maristela e Sasha assinaram um acordo para que o austríaco embarque com o filho mais velho do casal e o corpo de Sophie para a Áustria. Os dois aguardam agora a determinação da Justiça para encerrar o processo.

Fonte: g1, www.g1.com.br