Atropelador chama manifestantes de bandidos, mas diz está arrependido

Após ser indiciado pela morte de um estudante durante uma manifestação em Ribeirão Preto(SP), o suspeito atropelar jovem disse está arrependido.

Após ser indiciado pela morte de um estudante de 18 anos durante uma manifestação em Ribeirão Preto (SP), o suspeito de ter atropelado o jovem e outras 12 pessoas disse estar arrependido. Em entrevista exclusiva ao G1, o empresário Alexsandro Ishisato de Azevedo, afirmou ter acelerado o carro modelo SUV sobre o grupo porque teve medo de ser agredido pelos manifestantes, que classificou como "bandidos."

?Eu estou arrependido, não queria ter feito isso, não queria tirar a vida de ninguém. Isso não é da minha índole. Não era um monte de estudante de verdade, era um bando de bandidos. Só tinha bandidos. Eles gritavam ?eu sou bandido mesmo?. Eles davam paulada [no carro], me xingavam. Eu só queria sair dali, longe de mim querer fazer mal para alguém?, afirmou o jovem, que também é lutador de jiu jitsu.

Ishisato fugiu do local sem prestar socorro às vítimas, na noite da última quinta-feira (20), e desde então está sendo procurado pela polícia. O veículo modelo SUV foi apreendido na casa do empresário, em um condomínio de luxo na Zona Sul de Ribeirão. Após ser periciado, foi constatado que o carro apresentava marcas de pés e parte do vidro do passageiro e uma lanterna quebrados.

Por telefone, o empresário não revelou onde se refugiou com a mulher, mas confirmou que não está em Ribeirão Preto. ?Qualquer um que passasse pelo que eu passei, faria a mesma coisa. Eu estou com um corte de cinco centímetros na cabeça e só não fui fazer exame de corpo de delito porque eles vão me prender. Eu não quero ir preso, eu não sou bandido.?

A versão

O empresário contou que saía do estacionamento de um supermercado no cruzamento da Rua Professor José Fiúsa e da Avenida José Adolfo Bianco Molina, quando se deparou com o grupo de manifestantes bloqueando o trânsito. No carro estavam apenas ele e a mulher. Os jovens teriam impedido a passagem e chutado o veículo.



?Eu abri a janela e disse ?Por que vocês estão fazendo isso?? e eles começaram a bater na traseira do carro. Só não me espancaram porque o carro era blindado. Então eu pensei ?Se não dá para ir para trás, eu vou para frente. Vou esperar eles darem um jeito de estourar um vidro e machucar minha esposa??, afirmou Ichisato, negando estar alcoolizado. ?Eu não bebo.?

Um jovem que participava do protesto filmou a confusão. As imagens mostram o carro do empresário parando diante dos manifestantes, que pedem para que ele recue. Depois de uma discussão, Ishisato engata a ré e passa a ser ofendido por algumas pessoas. Nesse momento, ele acelera o veículo e avança sobre o grupo que estava no meio da rua. O estudante Marcos Delefrate, de 18 anos, morreu no local, vítima de traumatismo craniano. Outras 12 pessoas ficaram feridas.

Família

Ishisato disse que não consegue dormir desde a noite de quinta-feira e que toda a família está abalada com a repercussão do caso. Segundo ele, a filha de 15 anos não quer mais falar com ele e a mulher acabou perdendo um bebê que esperava há um mês, após sofrer uma hemorragia em casa.

?Minha filha não quer olhar na minha cara. Ela é a coisa que eu mais amo na vida. Estão querendo fazer sensacionalismo nas minhas costas. Só espero que isso tudo acabe logo?, desabafou o jovem, dizendo não saber quando se entregará a polícia. ?Eu queria me entregar em 24 horas, mas o meu advogado disse que se eu for para a rua vão me linchar. Estou esperando.?

Fonte: G1