Bandidos assaltam Igreja e o Cras da Vila Irmã Dulce; veja

Os crimes estão tão frequentes que a Igreja do Sagrado Coração de Jesus já foi assaltada duas vezes

INFORMAÇÕES VIA FLASH DO REPÓRTER RICARDO MOURA FÉ - ACOMPANHE A REPORTAGEM COMPLETA NO TELEJORNAL AGORA

Moradores denunciam que ladrões do grande Promorar, estão se mudando para a Vila Irmã Dulce, na zona Sul de Teresina, para cometer assaltos a residências, comércios e até o Cras (Centro de Referência de Assistência Social) e a Igreja da região.

Os crimes estão tão frequentes que a Igreja do Sagrado Coração de Jesus já foi assaltada duas vezes, a última foi na terça-feira (06), onde os bandidos levaram cálices sacrário e santíssimo, caixa de som, amplificador, mesa de som, botijão, carro de mão e até a batina do padre da paróquia.

A situação é tão grave que os criminosos ficam na porta da igreja usando drogas e monitorando quem passa pela rua para cometer assaltos.

Um dos moradores que não quis se identificar, afirmou que grande parte dos assaltantes são menores de idade e tem passagem na policia. "Os criminosos são menores, são conhecidos da polícia. Nós já registramos o B.O, mas os policiais estão cansados de prender eles, e em pouco tempo estarem soltos", declarou.

Outro ponto que está se tornado comum na ação dos bandidos é o Cras (Centro de Referência de Assistência Social) da região. Local que serve para inserção das pessoas, atendimento à jovens e crianças. As autoridades enviaram dois policiais para intimidar os bandidos, mas as pessoas continuam com medo, pois, segundo elas, os assaltos continuam acontecendo na saída do centro para o ponto de ônibus.

Segundo a assessoria de imprensa do Cras, a gestão municipal enviou dois policiais para ficarem de plantão no órgão e assim, tem conseguido diminuir o número de ocorrências no local. Ainda de acordo com informações da nota, após a chegada dos militares, não houve mais crimes no Centro de Referência de Assistência Social e nem nas imediações, já que os soldados realizam rondas pela região constantemente.

Fonte: Waldelúcio Barbosa