Bando tenta roubar madeira de local onde Dorothy Stang foi morta

Bando tenta roubar madeira de local onde Dorothy Stang foi morta

Material beneficiado estava apreendido desde janeiro em Anapu (PA).

Madeireiros tentaram roubar na madrugada deste domingo (26) uma carga de madeira apreendida em janeiro no Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Esperança, assentamento onde foi assassinada em 2005 a irmã Dorothy Stang, em Anapu, no Pará.

Um suspeito foi preso em flagrante nas imediações da sede do município de Anapu com um caminhão com material roubado, segundo o delegado Melquesedeque Ribeiro, que está averiguando o caso.

O madeireiro já teve conflitos anteriores com os assentados do PDS. No começo deste mês, ele chegou a assinar um termo se comprometendo a não adentrar área. O descumprimento deverá lhe render uma acusação adicional, detalhou o delegado Ribeiro. Quatro pessoas que estavam com o suspeito no caminhão foram liberadas após alegarem que estavam apenas pegando carona no veículo.

"Ele roubou a madeira de lá na presença das pessoas que lá aguardavam. Não estava armado, mas fez uma ameaça verbal. E disse ainda que se não deixassem ele levar a madeira de lá, a queimaria", informou o delegado.

Invasão

A invasão ao assentamento foi denunciado por moradores, segundo informaram representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) no município de Anapu.

De acordo com a irmã Jane Dwyer, da CPT, que foi ao PDS neste domingo, o grupo de madeireiros invadiu o assentamento de madrugada com motos, um caminhão e uma caminhonete. Eles carregaram os veículos com madeira, mas a caminhonete quebrou e o caminhão ficou atolado.

Somente durante o dia eles conseguiram desatolar o caminhão, chegando à cidade de Anapú no final da tarde. Nesse momento, foram abordados pela Polícia Civil. O suspeito de ser o líder dos madeireiros foi levado à delegacia.

A madeira tirada ilegalmente era parte de um lote já beneficiado que estava desde janeiro sob guarda do Incra, após operação da Polícia Federal no PDS que flagrou desmatamento ilegal. Após a apreensão, foi decidido que seria usado para construir casas para os assentados.

Segundo a irmã Jane, mesmo sabendo que os madeireiros tentavam tirar a carga de madeira do assentamento, eles não reagiram porque têm orientação de não tentarem deter os roubos de madeira por conta própria, dado o histórico de violência na área. "O povo não tem como se defender de madeireiros, pistoleiros e esse tipo de gente?, disse a religiosa.

Fonte: g1, www.g1.com.br