Bruno acompanhou Eliza para a morte

Responsáveis por morte de Eliza serão indiciados mesmo sem corpo.

O delegado Edson Moreira, um dos responsáveis em Minas Gerais pelas investigações sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, disse, em entrevista nesta quinta-feira (8), que o goleiro Bruno teria acompanhado a ex-amante Eliza para sua morte. "Ele estava junto. É a conclusão a que se chega", diz Moreira. Veja ao lado a íntegra da entrevista.

O delegado afirma, com base em depoimentos, que Bruno ficou com Eliza o tempo todo e que demonstrava tranquilidade. Uma das principais testemunhas, um menor de idade, prestou depoimento na terça-feira (6), no Rio. O "Jornal Nacional" obteve acesso à integra do depoimento que o menor deu no Rio. No depoimento, o menor diz que ouviu Bruno pedir para "resolverem o problema" com Eliza, mas não diz que o goleiro acompanhou Eliza para a morte (saiba mais).

O delegado Edson Moreira, em parceria com o também delegado Wagner Pinto, analisou declarações do menor no Rio de Janeiro e relatos feitos pelo adolescente no local em que teria ocorrido o crime, em Vespasiano (MG). Peritos estiveram no imóvel na quarta-feira (7), acompanhados pelo menor. Segundo os delegados, grande parte das informações do adolescente coincide com depoimentos de outras testemunhas ouvidas anteriormente pela polícia mineira.

Na noite de quarta-feira, o então advogado de Bruno, Michel Assef Filho, disse que o atleta nega o crime. Assef Filho disse ainda que o goleiro Bruno está "estarrecido" e afirmou desconhecer os fatos contados em depoimento pelo menor ouvido na terça. Nesta quinta, Michel Assef Filho deixou o caso alegando que trabalha para o Flamengo e, como o clube decidiu pela suspensão do contrato de Bruno, há um ?conflito de interesses?. O advogado Ércio Quaresma assumiu a defesa de Bruno.

Eliza Samudio está desaparecida desde o início de junho. Nascida em Foz do Iguaçu (PR), ela se mudou para São Paulo e posteriormente para o Rio. Em 2009, teve um relacionamento com Bruno. Depois, engravidou e afirmou que o pai de seu filho é Bruno. O filho nasceu no início de 2010. Desde então, busca na Justiça o reconhecimento de paternidade por parte de Bruno.

Na quarta-feira (7), Bruno teve a prisão temporária decretada no Rio. A polícia fluminense diz que ele é suspeito de ser o mandante do sequestro de Eliza. Em Minas, Bruno é investigado pelo homicídio da ex-amante.

Bruno no sítio

Na entrevista concedida nesta manhã, o delegado Edson Moreira disse: "Estavam no sítio do Bruno, em Esmeraldas (MG), quatro pessoas, além de Eliza e a criança. Três pessoas [Macarrão, o adolescente e Bruno] saíram com Eliza e o bebê do sítio sob a alegação de que eles seriam levados para um apartamento alugado. Nesse caminho, certamente o bebê foi levado para outro lugar e Eliza, Bruno, o adolescente e Macarrão foram para a casa do ex-policial. Em seguida, Bruno, Macarrão e o menor voltaram para o sítio apenas com a mala de Eliza, que foi queimada".

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, dono da casa em que estaria o corpo de Eliza Samudio, em Vespasiano (MG), seria o responsável pela execução, morte e desaparecimento da jovem, segundo o delegado Moreira. Ainda segundo o delegado, ele teve a prisão temporária solicitada pela polícia.

Segundo o delegado, "Bruno estava lá na casa [do ex-policial] e viu a mulher toda estourada. Acompanhou, segundo testemunhas, Eliza para seu sacrifício, para sua morte". "Um ídolo como o Bruno, de um grande time, e um monstro pelo que fez com essa moça. O crime foi planejado e friamente executado. Podemos concluir que Eliza está morta", diz Moreira.

De acordo com a polícia, Eliza e seu filho, de 4 meses, teriam sido levados do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, de carro, com o menor e Macarrão. O carro que levou a jovem foi apreendido em 8 de junho e Eliza foi levada, em 9 de junho, para a casa em Vespasiano (MG), onde teria sido morta. Antes de ser executava, Eliza teria ficado no sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas.

Segundo o delegado Wagner Pinto, Macarrão, Bruno, o menor e Marcos estão diretamente envolvidos na morte de Eliza. "Fazendo o cruzamento das provas objetivas e subjetivas, como os depoimentos, podemos dizer que tudo aponta para a ocorrência de homicídio. O importante para nós é, a partir de agora, juntar todos esses elementos que indicam a efetiva participação do Macarrão, do Bruno e desse adolescente na trama criminosa, juntamente com o policial civil Marcos", diz.

Ele afirma que as buscas pelo corpo de Eliza vão continuar. "Nós temos que buscar o cadáver, mas se não encontrarmos, com todos esses elementos, certamente as pessoas envolvidas serão devidamente indiciadas e apresentadas à Justiça como autoras desse homicídio e pela ocultação do cadáver", diz. Segundo a polícia, as investigações irão apontar outros locais em que, eventualmente, o corpo pode ter sido desovado.

Ex-policial teria executado Eliza

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos seria o responsável pela execução de Eliza, segundo Moreira. Ainda segundo o delegado, ele teve a prisão temporária solicitada pela polícia.

Na quarta-feira, policiais entraram, por volta das 15h20, na casa em que estaria o corpo de Eliza. As equipes chegaram ao local orientadas pelo menor que prestou depoimento, na terça-feira (6), no Rio de Janeiro. Segundo a polícia, ele acompanhou os agentes durante a vistoria no local.

"O menor nos acompanhou nas buscas pela casa e chorava compulsivamente lembrando a cena do crime. Fomos ao local para verificar a versão apresentada pelo adolescente. A investigação está praticamente chegando a uma conclusão. Cerca de 80% do depoimento do adolescente é verdadeiro", diz Moreira.

Dentro da residência, segundo a polícia, nada de interesse investigativo foi encontrado. Um carro de propriedade do ex-policial foi apreendido. "Aparentemente havia manchas de sangue no carro. O carro foi conduzido para o Instituto de Criminalística para a realização do exame que vai definir se é sangue, se é de natureza humana e se é da Eliza. Esse laudo sairá rapidamente, mas não há data definida", diz o delegado Wagner Pinto.

De acordo com o delegado, que esteve no local com o menor, o adolescente descreveu com riqueza de detalhes o interior da casa, antes da entrada das equipes no imóvel. "Ele mencionou que havia vários cães da raça rottweiler no local e que o executor teria jogado parte do corpo de Eliza para os cachorros. Quando chegamos na casa, o menor apontou o local e ficou abalado", diz.

Ainda segundo as investigações, há indícios de que alguém estaria na casa e teria fugido ao perceber a chegada da polícia. "Percebemos que alguém estava na casa quando a polícia chegou. Um circuito externo de câmeras estava ligado, monitorado por uma televisão, que também estava ligada. A pia estava molhada e a janela estava aberta", diz Pinto. O delegado Moreira afirmou que há uma rota de fuga na casa.

Morte de Eliza

"O que é certo é que o menor disse que teria ido com Macarrão e Eliza para uma residência, onde houve a execução da Eliza por asfixia mecânica. Marcos teria estragulado, matado e desovado o corpo. Ele fez o estrangulamento, com o braço, pelas costas de Eliza. Depois da execução, Neném solicitou que o menor e outro homem que estava com eles saíssem para que ele providenciasse a desova do corpo", afirma Wagner Pinto.

O jovem teria explicado, segundo a polícia, a mecânica do crime. Segundo relato do menor, Eliza tinha as mãos atadas e as pernas amarradas quando foi morta. Depois do crime, ainda de acordo com o que diz o adolescente, o ex-policial teria ficado sozinho com o corpo de Eliza Samudio, na casa em Vespasiano.

Fonte: g1, www.g1.com.br