Bruno volta a policlínica ao passar mal dentro de ambulância; desmaiou e teve suspeita de convulsão

Bruno volta a policlínica ao passar mal dentro de ambulância; desmaiou e teve suspeita de convulsão

Ele e todos os réus do caso Eliza acompanharam depoimentos.

O goleiro Bruno voltou à Policlínica Central de Neves, em Ribeirão da Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, após passar mal dentro de uma ambulância que o levava para a penitenciária, nesta quarta-feira (6). Bruno chegou a ser liberado da policlínica depois de ser atendido, mas retornou quando era levado para a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na RMBH.

Ele teve um desmaio e uma suspeita de convulsão dentro da sala de audiência no fórum em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O advogado dele, Ércio Quaresma, tentou ajudar o goleiro e, às 10h55, cerca de 5 minutos depois do desmaio, chegou uma ambulância do Corpo de Bombeiros. Ele saiu de maca do fórum.

De acordo com a Prefeitura de Ribeirão das Neves, o goleiro foi levado para a Policlínica Central de Neves. No local, ele foi atendido por um medido que teria dito que Bruno estava com a pressão arterial e o estado emocional alterados. Na policlínica, ele não teve convulsão, e o médico, segundo a prefeitura, não pode determinar se ele chegou a ter uma crise convulsiva na audiência.

Ainda de acordo com a Prefeitura de Neves, o médico mandou um relatório para a Justiça, pedindo que Bruno fique em repouso por 24 horas e que ele não volte para a audiência.

O subsecretário de Assuntos Penitenciários de Minas Gerais, Genilson Zeferino, disse que Bruno está tomando uma medicação prescrita por médicos particulares, desde o dia 23 de setembro, quando ele foi atendido para exames laboratoriais no Socor, em Belo Horizonte. Na volta do Rio de Janeiro, onde passou cerca de um mês, o goleiro chegou à Penitenciária Nelson Hungria com remédios sem receita.

Bruno passou mal, nesta terça-feira (5), na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), ele sentiu dores de cabeça e enjoo. De acordo com a Seds, Bruno foi atendido na enfermaria da Nelson Hungria. Depois, ele foi encaminhado para a Policlínica de Nova Contagem. Lá, o goleiro teve a pressão aferida, tomou soro e, de acordo com a Seds, retornou à penitenciária passando bem.

No dia 17 de setembro, Bruno passou mal antes de entrar na sala de audiência do fórum de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Segundo o Tribunal de Justiça fluminense, ele sofreu uma queda de pressão e chegou a desmaiar. O goleiro foi atendido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que foi ao local.

No dia 12 de julho, antes de ir para o Rio, Bruno também sentiu um mal estar na Nelson Hungria. Ele teve tonturas e foi atendido por uma enfermeira da unidade prisional.

Audiência

Bruno; o amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão; o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola; Sérgio Rosa Sales e Elenilson Vitor da Silva chegaram ao Fórum em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, às 10h desta quarta-feira (6). A Justiça ouve 21 testemunhas do processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio.

A mulher de Bruno, Dayanne de Souza, e a noiva dele, Fernanda de Castro, chegaram ao fórum por volta das 10h40. As duas estãso presas na mesma penitenciária, em Belo Horizonte.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, duas pessoas foram arroladas pela acusação, três pela acusação e pela defesa e 16 somente pela defesa. A audiência começou depois que Bruno foi retira do pelo Corpo de Bombeiros. Cleiton Gonçalves da Silva, que dirigia a Range Rover quando ela foi apreendida em Minas por excesso de velocidade, foi a primeira testemunha a ser ouvida. Ele foi arrolado pela acusação da promotoria. A mulher dele também deve ser ouvida.

O advogado Frederico Franco, que defende Elenilson, disse que todas as testemunhas deles são importantes para o caso, mas só uma testemunha será usada na defesa de seu cliente.

De acordo com o advogado de Bruno, Ércio Quaresma, o goleiro deve ser ouvido no dia 14 de outubro. O advogado disse que acha importante que os acusados acompanhem essas audiências mas, segundo ele, a própria testemunha pode pedir que os réus sejam retirados da sala. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, somente as testemunhas de acusação podem pedir, diretamente ao juiz, que os réus sejam retirados da sala, e o magistrado autoriza ou não o pedido.

Entenda o caso

O goleiro Bruno é réu no processo que investiga a morte de Eliza Samudio. A Justiça de Minas Gerais aceitou a denúncia do Ministério Público contra Bruno e outros oito envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza. Fernanda Gomes de Castro, namorada de Bruno, foi presa em Minas Gerais.

O goleiro; Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Sérgio Rosa Sales; Dayanne Souza; Elenilson Vítor da Silva; Flávio Caetano; Wemerson Marques; e Fernanda Gomes de Castro vão responder na Justiça por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menor. Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, é o único que responderá por dois crimes. Bola foi denunciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Todos os acusados negam o crime. As penas podem ultrapassar 30 anos.

A pedido do Ministério Público, a Justiça decretou a prisão preventiva de todos os acusados. Com essa medida, eles devem permanecer na cadeia até o fim do julgamento. Em 2009, Eliza teve um relacionamento com o goleiro Bruno, engravidou e afirmou que o pai de seu filho é o atleta. O bebê nasceu no início de 2010 e, agora, está com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

Fonte: g1, www.g1.com.br