Bruno e Macarrão deverão ser interrogados hoje

Bruno e Macarrão deverão ser interrogados hoje

Eles respondem processo por lesão corporal e sequestro de Eliza Samudio em 2009

O goleiro Bruno Fernandes e seu amigo, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, deverão ser interrogados nesta sexta-feira (17), em audiência de instrução e julgamento na 1ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro. Eles respondem a um processo que corre no Estado em que são acusados de sequestro e lesão corporal ? supostos fatos ocorridos em outubro de 2009 - contra a ex-amante do jogador, Eliza Samudio.

Na audiência, marcada para começar às 13h, serão ouvidas sete testemunhas de defesa. Os advogados de Bruno chamaram a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, o atual diretor-executivo de futebol do clube, Zico, o goleiro Paulo Victor e o zagueiro Tite, do Vasco. Pela defesa de Macarrão, foram convocados o lateral-direito Leonardo Moura, o lateral-esquerdo Rodrigo Alvim e o zagueiro Álvaro.

O Tribunal de Justiça informou que Bruno e Macarrão só não serão interrogados caso os depoimentos das testemunhas se alonguem demais ou se alguma delas não comparecer, e os advogados da defesa exigirem a presença das mesmas.

A defesa de Bruno também convocou para depor os atacantes Adriano e Vágner Love e a própria Eliza Samudio, que está desparecida desde junho desde ano, mas a Justiça não aceitou o pedido. Bruno e Macarrão também respondem pelo suposto assassinato da jovem.

Na audiência, será exibido um vídeo em que Eliza Samudio concede uma entrevista ao jornal Extra, na época em que relata o que teria acontecido com ela na noite do suposto sequestro.

Além do caso do Rio, Bruno, Macarrão e outras sete pessoas também respondem a outro processo em Contagem (MG) pelo suposto assassinato de Eliza Samudio. Todos foram denunciados por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado na forma qualificada, ocultação de cadáver e corrupção de menor.

Testemunhas de acusação foram ouvidas na primeira audiência

Na primeira audiência do processo que corre no Rio de Janeiro, foram ouvidas quatro testemunhas de acusação. Foram elas a amiga de Eliza, Milena Baroni, a delegada Maria Aparecida Mallet - que ouviu a jovem na delegacia da Mulher em Jacarepaguá na época do sequestro -, além de Mateus Dantas e Mauro José de Oliveira, porteiros do condomínio no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste, onde Bruno morava.

Em seu depoimento, a delegada afirmou que Eliza lhe relatou que, na madrugada do dia 13 de outubro do ano passado, Bruno foi até a casa de Milena, onde Samudio morava, na companhia de Macarrão e outros dois homens armados. A jovem, que na época estava grávida de cinco meses, passou a ser ameaçada por eles e obrigada a entrar em um carro, segundo o relato, e foi levada para o condomínio do goleiro e forçada a ingerir comprimidos e tomar um líquido, que seria abortivo. Horas depois, Eliza teria dito que concordava em fazer o aborto, mas foi à delegacia fazer queixa das ameaças.

Fonte: R7, www.r7.com